10 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Onça-pintada vai ser monitorada por satélite no Estado do Amazonas

Pela primeira vez, um espécime de onça-pintada (Panthera onca) –o maior felino das Américas– foi capturado em uma área de várzea (floresta alagada sazonalmente) na Amazônia Ocidental, região que abrange os Estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima

Pela primeira vez, um espécime de onça-pintada (Panthera onca) –o maior felino das Américas– foi capturado em uma área de várzea (floresta alagada sazonalmente) na Amazônia Ocidental, região que abrange os Estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima. O objetivo foi colocar um colar com localizador GPS/VHF no animal capturado, método de monitoramento por satélite da espécie ainda inédito na Amazônia Brasileira. As informações de localização subsidiarão estratégias para a conservação da onça-pintada.
A captura ocorreu no dia 31 de outubro e foi realizada por uma equipe de pesquisadores do IDSM (Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá), com a participação de moradores da RDSM (Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá). O animal –uma fêmea, de quase 50 quilos e 1,80 metro de comprimento– foi capturado com uma armadilha de pé (foot snare), ancorada com cabos de aço em uma árvore, nas proximidades do Lago Mamirauá, na Reserva Mamirauá, área de várzea com 1,12 milhão de hectares. A idade estimada do animal é de aproximadamente quatro anos e seu estado de saúde é ótimo. A onça foi imobilizada com o uso de tranquilizantes e se recuperou em aproximadamente duas horas e meia.
Essa ação faz parte das pesquisas do “Projeto Iauaretê – Ecologia e Conservação da onça-pintada”, criado em março de 2007 a partir da necessidade de se estabelecer um monitoramento de longo prazo da população de onças-pintada nas RDS Mamirauá e Amanã, unidades de conservação co-geridas pelo IDSM em parceria com o governo do Estado do Amazonas.
O Projeto Iauaretê atende a demanda por informações sobre a densidade populacional, ecologia e comportamento da espécie. Entre elas, qual sua dieta, reprodução e uso do habitat. De acordo com Emiliano Esterci Ramalho, coordenador do Projeto, uma das hipóteses já levantadas com esse estudo é de que o ambiente de várzea pode ter papel fundamental para a sobrevivência e reprodução da onça-pintada na Amazônia. Duas constatações que embasam essa possibilidade, feitas a partir de análise das imagens geradas por armadilhas fotográficas, são a maior presença de fêmeas entre a população –a proporção é de um macho para três fêmeas– e a ocorrência de reprodução.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email