Número de empresas abertas cai 4,1%

No primeiro trimestre de 2013 foram criadas e passaram a funcionar no país 428,7 mil novas empresas, uma queda de 4,1% sobre o mesmo período do ano passado, quando foram 447 mil, aponta estudo divulgado pela Serasa Experian.
O número deste trimestre, contudo, é maior que os totais registrados durante os primeiros trimestres de 2011 (373 mil) e 2010 (322,4 mil).
“O recuo do número de novas empresas criadas no primeiro trimestre de 2013 é reflexo tanto do enfraquecimento da atividade econômica ao longo do ano de 2012, desestimulando o surgimento de novos empreendedores, quanto do bom momento vivido pelo mercado de trabalho, onde a escassez relativa de mão de obra tem elevado o nível de emprego e os salários pagos pelas empresas formais”, avaliam os economistas da Serasa, em nota. O estudo aponta, ainda, que 65% das 428,7 mil novas empresas criadas no primeiro trimestre (ou 277 mil) foram de Microempreendedores Individuais (MEIs), 69.351 (16% do total) foram de empresas individuais, 59.852 (14% do total) foram de sociedades limitadas e, por fim, 22.147 (5% do total) foram de empresas de outras naturezas jurídicas. “É importante notar que a participação dos Microempreendedores Individuais (MEIs) no conjunto de empresas que a cada mês surgem no país vem aumentando progressivamente, respondendo hoje por quase dois terços do total”, diz a Serasa, em nota.

Regiões

O Sudeste é a região onde ocorreu o maior número de empresas abertas durante o primeiro trimestre de 2013, com 208,4 mil empresas, 49% do total. Em seguida aparece o Nordeste com 80 mil empresas (19%), o Sul (73 mil ou 17% do total), o Centro-Oeste (42,7 mil ou 10% do total) e o Norte com 24,2 mil (6% do total).

Setores

A maior concentração de novas empresas está no setor de Serviços, diz a Serasa: foram 252 mil empresas (59% do total). Em seguida, vem o comércio, onde foram abertas 135 mil empresas (32% do total) e o setor industrial, onde surgiram 34 mil empresas (8% do total). Foram criadas, ainda, 7,3 mil empresas de outros setores (setor primário, financeiro, terceiro setor etc.).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email