Furukawa lança LaserWave para conexões de alta velocidade

Com o avanço vertiginoso da tecnologia, a demanda por largura de banda nas redes corporativas tem exigido cada vez mais o aprimoramento de redes Ethernet de alta velocidade dentro das empresas. Para garantir o atendimento às futuras demandas de conexão em velocidades de 40 Gbps a 100 Gbps, a Furukawa desenvolveu as Fibras Multimodo OM4, que oferecem uma largura de banda efetiva (EMB) mínima de 4.700 MHz-Km em 850nm.
Denominadas LaserWave 550, as fibras dessa nova geração suportam aplicações Ethernet, OIF e Fibre Channel, permitindo backbones com alcance de até 550 metros, desempenho bem superior ao especificado para fibras OM3, que permitem alcance de até 300 metros com taxas de 10 Gbps.
“Sistemas com fibras ópticas multimodo, tradicionalmente, proporcionaram o melhor custo-benefício para soluções que exigem altas taxas de transmissão em redes locais (LAN, SAN) e datacenters”, observou o responsável pelo departamento técnico de cabos da Furukawa, Renato F. Cruz.
Otimizadas para taxas de até 100 Gbps, as fibras multimodo LaserWave 550 sempre excederam os limites definidos para as fibras tipo OM3 e foram classificadas como OM4 em função das recentes revisões dos comitês normativos internacionais da TIA/EIA e ISO/IEC.
“Para garantir o desempenho especificado para as fibras OM4, os comitês normativos adotam os mesmos requisitos já utilizados para avaliar as fibras OM3, porém com limites mais rigorosos”, explicou o executivo da empresa.
Entre esses parâmetros listados de avaliação, destacam-se as medições de DMD (Differential Mode Delay) que apresenta o fator de maior correlação com o desempenho esperado de alcance do sinal e taxa de erros (BER) dentro dos limites exigidos.
A participação ativa da Furukawa nos comitês normativos viabilizou o consenso e aprovação da revisão normativa, que definiu os novos parâmetros de desempenho para as fibras OM4. “Acreditamos que essas normas que ajudamos a revisar estarão sendo oficialmente publicadas até o final deste ano”, conclui Cruz.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email