Fomento ao invés de assistencialismo

Um dos maiores fomentadores da extensão rural no Amazonas e, portanto grande responsável pelo sucesso do setor primário do Estado, o Idam (Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas) completa neste mês de março, 18 anos de atividades. Em evento comemorativo nesta terça feira (18) foram lembrados os anos de luta do setor primário na defesa da agricultura familiar, no desafio de prestar assistência técnica em um Estado de grandes dimensões e diferentes biomas, atendendo as necessidades de municípios e comunidades. Vinculado à Sepror (Secretaria de Estado da Produção Rural), o Idam atende aproximadamente 95 mil beneficiários e 2010 comunidades rurais, sendo que 94% desse público são agricultores familiares.

Bom desempenho
Na ocasião, os ex-presidentes do Idam foram homenageados pelos serviços prestados ao instituto e à produção agrícola amazonense. Ex-diretor-presidente do Idam (entre 1998 e 2000) e atual deputado estadual, Sidney Leite comentou sobre os desafios do instituto “O órgão criou grandes marcos para a agricultura familiar, piscicultura e fruticultura. Implantando a mecanização do setor, transferindo tecnologia, oportunizando um salto quantitativo e qualitativo. O mais importante é promover o fomento e não o assistencialismo, por meio da assistência técnica e assegurando que os recursos conseguidos sejam mantidos. Agora a luta deve ser pela regulamentarização fundiária, enquanto isto não for feito, estaremos chovendo no molhado,” disse o deputado.
O bom desempenho do setor é creditado a políticas públicas e principalmente a parcerias como Sepror (Secretaria de Estado de Produção Rural), ADS (Agência do Desenvolvimento Sustentável do Amazonas), SDS (Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas), Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Conab(Companhia Nacional de Abastecimento ) e outros órgãos do setor produtivo e social. Em discurso, o superintendente da Conab-Am, Thomaz Meirelles, lembra das parcerias e da importância do Idam “O instituto garante a soberania e a segurança alimentar das famílias amazônicas, através do aporte de recursos, trazendo as propostas de melhorias para o campo prático.”

O presente e planos futuros
Pesquisas do IBGE (2013) apontam o setor primário do Amazonas como o setor mais bem avaliado e responsável por 7% de toda riqueza do Estado, ocupando uma ótima colocação entre os maiores impulsionadores do PIB (Produto Interno Bruto) nacional e elevando a riqueza da região.
A pesquisa do IBGE que comprova o bom desempenho do setor, ainda conta com outros números. De acordo com os estudos, no Estado do Amazonas, o setor agrícola é responsável por 266 mil postos de trabalho, distribuídos em 67 mil propriedades, o que vem elevando o padrão de renda e a qualidade de vida do agricultor familiar. Para o atual diretor-presidente do Idam, Edimar Vizolli “muito do sucesso é obra de nossos gestores e técnicos extensionistas, que fazem o melhor para o produtor. O resultado pode ser visto em nossas feiras, onde o agricultor oferece bons produtos. Criamos condições para que este produtor receba nossa assistência e nosso agentes,” conta Vizolli.
Para o futuro, o Idam tem a proposta de aumentar o campo de atuação, prestando a capacitação e qualificação de seus técnicos extensionistas. “Sabemos que, quem recebe nossa assistência tem uma renda três vezes maior que os outros que não a têm. Para isso, iremos aumentar o entendimento e o debate entre produtores e técnicos. Para ver o fruto desse trabalho, no futuro iremos ter cada extensionista atendendo a 100 produtores.” Fecha o diretor-presidente do instituto.

O Idam
Criado pela lei estadual nº 2.384, de 18 de março de 1996, o Idam chega aos 18 anos, mas sua trajetória é bem mais antiga, sendo derivado das antigas e pioneiras ações dos extintos Acar (Associação de Crédito e Assistência Rural) e Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural) e nestes anos se estabilizou como órgão oficial de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural). O orgão é uma autarquia com autonomia administrativa e financeira, vinculado a Sepror e contribui para a promoção do desenvolvimento rural sustentável, centrado no fortalecimento das atividades agropecuárias, florestais, pesqueiras, e agroindustriais, mediante a prestação de serviços de assistência técnica, extensão rural e florestal, por meio de processos técnicos e educativos, que assegurem cidadania e melhoria da qualidade de vida dos seus beneficiários.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email