Euro bate novo recorde frente ao dólar

O euro bateu na sexta-feira novo recorde de valorização frente ao dólar. A moeda européia chegou a ser negociada US$ 1,4319, quebrando o recorde anterior, US$ 1,4310, atingido na quinta-feira, depois que o Departamento do Trabalho nos EUA anunciou os números sobre pedidos iniciais de auxílio-desemprego no país.

O departamento informou que os pedidos iniciais do benefício subiram em 28 mil na semana passada, contra uma expectativa de aumento em 6.000. O aumento divulgado quinta-feira foi o maior desde o registrado na semana encerrada no dia 10 de fevereiro, 42 mil. O dado foi recebido como sinal de que o mercado de trabalho ainda pode estar vulnerável aos desenvolvimentos da crise de crédito -provocada pelo aumento da inadimplência no segmento de hipotecas de risco- que atingiu os mercados financeiros dos Estados Unidos e de outros países em agosto e setembro.

Com indicadores econômicos fracos, o Federal Reserve (Fed, o BC americano) pode ter de reduzir sua taxa de juros mais uma vez, na reunião de política monetária programada para os dias 30 e 31 deste mês -em setembro, o Fed cortou sua taxa em 0,5 ponto percentual, para 4,75% ao ano.

Cortes de juros barateiam o crédito e estimulam o consumo e investimentos, reaquecendo a economia, mas desvalorizam a moeda na medida em que os rendimentos dos investimentos em títulos diminuem.

A moeda européia operou a US$ 1,4310 com o anúncio do Departamento do Trabalho de que o total de pedidos iniciais de auxílio-desemprego atingiu a marca de 337 mil. O recorde anterior havia sido atingido no dia 1º de outubro, US$ 1,4282.

O aumento no número de pedidos superou em muito as expectativas dos analistas, que previam um crescimento no número de pedidos. O resultado foi visto como sinal de que o mercado de trabalho começa a ceder aos efeitos acumulados da crise no segmento de hipotecas de risco, que atingiu o mercado financeiro em agosto e setembro.
Na semana passada, o secretário do tesouro dos EUA, Henry Paulson, e o presidente do Federal Reserve (Fed, o BC americano), Ben Bernanke, disseram que a crise imobiliá-ria nos Estados Unidos representa um risco significativo à economia.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email