Empresas Elgin e Datalogic firmam parceria

Através de parceria com a Elgin, a empresa ítalo-americana Datalogic iniciou a fabricação de scanners de códigos de barras – utilizados principalmente em supermercados – em Manaus, esperando um incremento de até 45% nas vendas no Brasil. Um dos leitores de códigos de barras mais famosos, o VS2200, será produzido em uma linha de montagem especial dentro da fábrica da brasileira Elgin, localizado no PIM (Polo Industrial de Manaus), com investimento total de R$ 1,3 mi. O valor foi utilizado para modernizar a aparelhagem, treinamento da mão de obra dos 30 funcionários contratados (com mais 70 empregos indiretos) e estrutura. O objetivo é que sejam produzidas mensalmente cerca de 2 mil unidades do produto.

Com a produção local, o diretor da divisão comercial da Elgin, Alcebíades Espíndola, disse que o esperado é uma redução entre 20% e 25% no preço para o público consumidor (empresários do ramo varejista). O executivo apresentou resultados de pesquisas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que mostram o mercado varejista como detentor de mais de 1,45 milhão de estabelecimentos, um dos motivos pelos quais atraiu a multinacional.
“Estudos revelam que o varejo sempre teve índices de crescimento maior que o PIB (Produto Interno Bruto). O mais interessante é que as regiões onde o mercado mais cresce, são as que possuem níveis de renda mais baixos. Isso mostra que o varejo cresce a reboque das classes C e D”, ressaltou o diretor.

Até então, no Brasil, segundo Espíndola, os produtos da empresa eram importados para uso em grandes redes varejistas, sendo que em 2009 foram comercializados 15,6 mil destes. Pão de Açúcar, Leroy Merlin, Angeloni e Wall Mart são apenas alguns dos clientes que utilizam os leitores, e, espera-se que em 2010 as vendas cheguem a 20 mil scanners comercializados. “Ano passado, começamos a comprar os leitores montados e vendê-los como se fossem fabricados aqui. Fizemos isso para mostrar a Datalogic, o potencial do mercado e que esta parceria era viável”, explicou o diretor. O público-alvo dos produtos também inclui supermercados, lojas de departamentos e materiais de construção, padarias e bancos.

Além da diminuição do preço dos aparelhos e maior agilidade na entrega dos scanners aos clientes, uma das vantagens de a fabricação ser feita no Brasil é que os empresários também poderão adquirir o VS2200 por meio de linhas de crédito oferecidas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). De acordo com Espíndola, no Brasil 48% das compras de equipamentos feitas pelos empresários do varejo, são financiadas pelo BNDES.

Outra vantagem, esta relacionada diretamente ao aparelho, é a diminuição dos custos com energia elétrica, por causa da capacidade de desligamento automático dos terminais, eliminando a necessidade de uma fonte separada de energia. A economia também é possível por meio do modo “sleep” configurável, que poupa laser e motor de desgaste e ajudam a conservar energia. O diretor de automação comercial da Elgin, Wilson Antunes enfatizou que os produtos da Elgin são os mais “verdes” do mercado e possuem duração de 10 anos. “Nossa linha é a primeira com componentes livres de chumbo, o que diminui o consumo de energia”, explicou Antunes.

Hoje, a Elgin detém 10% do mercado brasileiro de automação comercial, estimado em cerca de R$ 70 milhões por mês, enquanto a Datalogic é a terceira empresa mundial em produtos para identificação automática de códigos de barras e líder mundial em leitores fixos de ponto-de-venda, com 31,8% do mercado mundial.
O vice-presidente global da Datalogic, David Sullivan, se mostrou bastante empolgado com a parceria, mostrando os resultados já alcançados pela empresa ao redor do mundo, e confiante nessa nova empreitada. Sullivan salientou a importância da Datalogic, atualmente uma das quatro detentoras da patente do scanner de código de barras e presente em mais de 50 mil pontos ao redor do mundo. O vice-presidente ressaltou ainda que esta não é uma parceria que nasceu de um dia para o outro, e sim, resultado de uma conversa e estudos de aproximadamente um ano.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email