Empresa britânica busca parceria com a Embrapa para tecnologias novas

A Embrapa Cerrados, unidade da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), recebeu nos últimos dias duas visitas internacionais. Na manhã da última quarta-feira, 7, o CEO da britânica Pi (Plant Impact), Peter Blezard, esteve na unidade e apresentou alguns dos produtos desenvolvidos pela empresa utilizando tecnologias proprietárias inovadoras. O objetivo foi iniciar os contatos para estabelecer uma parceria entre a Pi e a Embrapa para validação dos efeitos positivos dos seus fertilizantes e nutrientes, já que a empresa pretende ampliar os negócios no Brasil.
A Plant Impact é uma empresa de fertilizantes e nutrientes, especializada em otimizar a produção de alimentos, com foco na qualidade e na redução dos impactos sobre o meio ambiente. Ela dedica-se a atender a demanda global por produtos eficazes e ecologicamente corretos para combater o chamado estresse ambiental das plantas, ou seja, pragas, doenças, seca, deficiências nutritivas, e, assim, melhorar a produtividade agrícola. O CEO da empresa estava acompanhado do cientista David Dent, do IATC (International Agri-Technology Centre), e da gerente de Desenvolvimento de Mercados da Embaixada Britânica, Paula Abreu.
Participaram do encontro a pesquisadora e articuladora internacional da unidade, Marília Santos Silva, e Rodrigo Valadares, da Assessoria de Relações Internacionais da Embrapa. Também estavam presentes os pesquisadores da Embrapa Cerrados, Éder de Souza Martins e Walter Quadros, que apresentaram para os visitantes suas pesquisas sobre o uso de rochas brasileiras como fontes de nutrientes para a agricultura e fenotipagem de trigo para tolerância à seca, respectivamente. Os dois pesquisadores manifestaram na ocasião interesse em participar da possível parceria.

Investimento internacional

O Grupo Salim, o maior da Indonésia no cultivo de dendê, está interessado em investir no Brasil. Para escolher o local mais propício para plantar dendê no país, os empresários visitaram os Estados do Amapá, Amazonas, Piauí e Distrito Federal. Na terça-feira, 6, eles conheceram o experimento da Embrapa Cerrados.
Os pesquisadores Nilton Junqueira e Rui Veloso explicaram o desenvolvimento da pesquisa e os custos para irrigação – compra e manutenção de equipamentos e consumo de energia. No ano passado, o experimento foi irrigado 35 vezes, ao custo de R$ 430 hectare/ano. Esse investimento, de acordo com Junqueira, é pago quando a produção chega a 20 toneladas de cachos por hectare.
A expectativa é de que a produção no experimento, implantado em 2006, seja de 40 toneladas de cachos quando completar dez anos. No local, foi feito o plantio de quatro cultivares, das quais duas iniciaram esse ano a produção de frutos. O experimento faz parte do projeto “Fontes alternativas potenciais de matérias-primas para produção de Agroenergia”. A pesquisa está avaliando, entre outros aspectos, o teor e qualidade do óleo de algumas culturas alternativas, a viabilidade para produção de biodiesel e resistência a pragas e doenças das espécies.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email