Educação estimula novos produtos

Com os alunos e os professores mais aptos ao uso de plataformas móveis (tablets, smartphones e notebooks) para realizar pesquisas e trabalhos acadêmicos, além da procura ascendente por cursos a distância, as instituições de ensino viraram um grande nicho para os polos de tecnologia. E a empresa brasileira G&P Projetos e Sistemas, que tem entre os concorrentes a MSTech (na área pública), além da Totvs, Eicon e Abril Educação, foca no segmento.
O CEO da G&P, Hélio Nascimento, ressaltou que o ramo de inovação na área de ensino no Brasil é muito promissor, pois está na pauta dos governantes e de gestores de maneira nunca antes vista. O executivo, que lidera uma empresa com projeção de crescimento para 2014 na casa de 15%, e cuja meta é a de atingir faturamento de R$ 140 milhões, acredita que existe no Brasil um grande deficit de investimentos tecnológicos.
O que associado ao cenário de instituições sendo pressionadas pela inclusão digital dos jovens nos últimos anos, o panorama se traduz em bons negócios no setor. “Mas em relação aos outros países é difícil estabelecer paralelos sobre esse mercado no Brasil, uma vez que as características geográficas e sociais no país são diversas.”
Questionado a respeito da concorrência, o CEO destacou que por ser um segmento no qual existem muitas soluções criadas com diferentes aplicações, não há vários dados para uma análise precisa.
Contudo, ele crê que a G&P escolheu uma plataforma de gestão que permite aproveitar a expertise da empresa em implementação de projetos complexos. “Também merece destaque o fato de a G&P ser a mantenedora de uma instituição de ensino superior, a Faculdade FGP, localizada em Pederneiras, interior do Estado de São Paulo, que nos últimos 12 anos gerou um bom conhecimento sistêmico do setor”.
Sobre a instituição de ensino própria, o empreendimento conta com cursos de graduação voltados para áreas como as de Administração com Gestão de Informática e Sistemas de Informação, que já tiveram o reconhecimento do MEC (Ministério da Educação), com o conceito nota A. Para o executivo, são esses fatores que diferenciam a companhia das empresas que investem em aplicações voltadas a processos pedagógicos propriamente ditos. “Portanto [elas] não possuem sistemas de gestão com o nível de maturidade que o mercado necessita”, aposta o CEO da G&P.
Apesar da empresa não atuar com tecnologias aplicadas ao modelo pedagógico, onde está ocorrendo de forma expressiva a transformação de mercado, a oportunidade encontrada pela G&P está em um estágio anterior: o da necessidade de informações gerenciais para a tomada de decisões. “É aí que temos uma solução para ofertar. Isso permite aos gestores um melhor mapeamento do perfil de alunos e professores, e com isso, direcionar acertadamente os investimentos e melhorias que serão realizados.”
Com a perspectiva de que a procura pelo serviço tenha crescimento exponencial, a G&P Projetos e Sistemas aponta que a expansão neste ano é baseada na necessidade das organizações diminuírem o uso de papel em troca de agilidade, destacou o CEO da empresa.
A G&P teve crescimento expressivo em 2013, ao saltar 42% em relação ao ano anterior, e faturar cerca de R$ 121 milhões. O bom desempenho suplantou a média do setor, que cresceu de 8% a 10% no ano passado, segundo levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. O desempenho da empresa também superou o planejamento inicial da companhia, com resultados provenientes quase exclusivamente do setor público. Ao conquistar concorrências com esse perfil houve atendimento a clientes como Sebrae, Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), CEF (Caixa Econômica Federal), e Proderj, autarquia vinculada à Secretaria de Estado da Casa Civil carioca, entre outros, o que contribuiu substancialmente para engordar os cofres da marca. “Ano passado fizemos bons negócios no setor público, principalmente em contratos de sustentação e fábrica de software.”

Palestras de peso
Também com unidade de negócios dedicada ao desenvolvimento e à oferta de soluções especializadas para o setor educacional, a brasileira Totvs é outra que vive inserida no calendário de eventos voltados ao ensino. Nesse contexto, o presidente e fundador da Totvs, o empresário Laércio Cosentino apresentou, na última semana, uma ferramenta de tecnologia para gestão e planejamento de horários sob medida para o dia a dia das instituições de ensino. Segundo o executivo, a companhia está presente em mais de 700 instituições de ensino no Brasil e na rotina de 300 mil usuários das ferramentas de educação à distância.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email