Dólar tem leve alta de 0,37% e fecha cotado para venda a R$ 1,891

A cotação da moeda americana teve um aumento moderado na sexta-feira, contrastando com o dia de forte nervosismo no mercado mundial, com perdas pesadas nas Bolsas de Valores.

Profissionais das mesas de operações avaliam que, perto de R$ 1,90, agentes financeiros começaram a desovar moeda na praça, atraídos pelo nível de preço, o que teria contribuído para conter as cotações. Desde o final do ano passado, a taxa de câmbio subiu mais de 8%.

O dólar comercial foi vendido por R$ 1,891, em alta de 0,37%, nas últimas operações do dia. Trata-se do maior preço desde 1º de setembro de 2009. As taxas negociadas entre R$ 1,893 e R$ 1,863. Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo foi cotado por R$ 2, estável sobre o fechamento de quinta-feira.

A crise da dívida pública na Grécia, Espanha e Portugal fez disparar o sentimento de aversão ao risco entre os agentes financeiros nesta semana. Epicentro do novo “drama” do mercado mundial, a União Europeia viu sua moeda – o euro – desvalorizar fortemente contra o dólar, chegando na sexta-feira a US$ 1.36, a cotação mais baixa desde maio do ano passado.

Em um mercado globalizado, a taxa de câmbio brasileira acompanhou refletiu o fortalecimento da unidade monetária americana, “refúgio” dos investidores em momentos de nervosismo, encostando no patamar de R$ 1,90, um preço perdido desde o início do setembro do ano passado.

O analista da BGC Liquidez, Mário Paiva, nota que o atual nível de preços pode ter atraído exportadores para venderem moeda na praça. “Acredito que nessa faixa de preço fica muito atraente a ponta de venda (de dólar). Mas se essa aversão ao risco continuar aumentando, se a preocupação com a Europa continuar assombrando os mercados como na quinta-feira e sexta-feira, em vez de R$ 1,90 ser atraente, pode ir para R$ 1,95, por exemplo”, avalia o profissional.

Entre as principais notícias do dia, o governo americano revelou que a taxa de desemprego recuou para 9,7% em janeiro ante 10% no mês de dezembro.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email