Cerrado, irrigação e recuperação de áreas degradadas aumentam

A recuperação de áreas degradadas e o uso de locais de pastagens, o melhor aproveitamento do Cerrado brasileiro e o aumento da prática de irrigação foram as direções apontadas pelo ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, como determinantes para o crescimento da produtividade nacional nos próximos dez anos. Na última quinta-feira, 4, ele apresentou a jornalistas os cenários de produção, exportação e consumo previstos para a safra 2019/2020. “A agricultura sempre teve posição muito dinâmica e de crescimento constante”, comentou Stephanes.
Segundo o ministro, o desempenho da produção futura se dará, em grande parte, pelo aumento de produtividade e pela incorporação de novas áreas de pastagens, nas devidas proporções. “O sistema de produção de bovinos tende a se tornar mais intensivo e vai ocupar menos áreas. Essa é uma das grandes possibilidades que temos”, destacou.
Ele informou, ainda, que a recuperação dessas áreas será intensificada com linhas de crédito específicas e taxas de juros diferenciadas, que serão anunciadas no próximo PAP (Plano Agrícola e Pecuário) 2010/2011). “O plano também vai incluir item específico dos compromissos voluntários assumidos na COP-15, realizada em dezembro passado, em Copenhagen (Dinamarca). Esses também são sistemas de produção que dão mais lucro e melhores condições para os nossos produtores, ou seja, atendem questões de emissão de gases de efeito estufa e sustentabilidade, além de melhorar a economia”, disse o ministro.

Região da Matopiba é vista como exemplo

O segundo caminho apontado por Stephanes para as boas perspectivas agrícolas no Brasil é o melhor aproveitamento do Cerrado. Ele citou como exemplo a região de Matopiba, que compreende Maranhão, leste de Tocantins, sul do Piauí e norte e oeste da Bahia. “Ali temos uma grande área de Cerrado e, ao obedecer toda a legislação ambiental, temos possibilidade de avançar. Ou seja, podemos aumentar a produção sem necessidade de novos desmatamentos no bioma Amazônia ou em outras áreas frágeis do Brasil,” afirmou.
A irrigação, em especial no Centro-Oeste do país, foi outra opção destacada pelo ministro. Com períodos regulares de chuva, excesso de água e possibilidade de armazenamento, a região conta, hoje, com 3 mil pivôs centrais e, de acordo com o ministro, pode chegar a 30 mil.

Projeções do agronegócio

A pesquisa foi realizada pela AGE/Mapa (Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), que estuda as projeções agropecuárias a médio e longo prazos. “Temos uma visão muito clara das exigências do mercado e da resposta que podemos dar, principalmente, de maneira sustentável, evitando qualquer possibilidade de avanço do desmatamento sobre o bioma Amazônia”, finalizou o ministro Stephanes.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email