Caixa e CNI vão facilitar crédito para micros e pequenas indústrias

A Caixa Econômica Federal e a CNI (Confederação Brasileira da Indústria) fizeram um acordo de cooperação técnica para facilitar o acesso ao crédito por micros e pequenas indústrias.

De acordo com a CNI, o acordo de cooperação técnica firmado entre as duas entidades prevê o enquadramento das empresas direcionadas ao banco pelos NACs (Núcleos de Acesso ao Crédito) estaduais.

Os juros podem chegar até 28% menos que a taxa balcão e há possibilidade de carência de até 60 meses para pagamento. O dinheiro pode ser usado tanto para capital de giro, como para aquisição de máquinas e equipamentos.

– Capital de giro pós-fixada, destinada a empresas com faturamento anual fiscal superior a R$ 360 mil, com juros a partir de 0,83% ao mês mais TR (Taxa Referencial), prazo de até 60 meses e carência automática de 3 meses;

– Capital de giro pré-fixada, voltada a MPEs (micros e pequenas empresas) com juros a partir de 1,19% ao mês, prazo de 48 meses e carência automática de 3 meses.

– BDC (Bens de Consumo Duráveis), com taxa pós-fixada, com juros a partir de 0,92% ao mês, prazo de até 60 meses e até seis meses de carência.

O pacote inclui ainda o cartão empresarial com isenção da primeira anuidade para empresas com domicílio bancário de recebíveis na Caixa e seis meses de isenção de 100% ou 12 meses de isenção de 50% para adesão na cesta de serviços para novos correntistas ou correntistas sem cesta.

A CNI ressalta que essas condições estão sujeitas à análise de risco de crédito, disponibilidade de recurso, bem como são válidas para empresas que tenham 12 ou mais meses de faturamento e garantias compatíveis com as exigidas que variam de acordo com a linha de crédito.

O primeiro passo para ter acesso ao pacote é fazer o cadastro.

Outras medidas de apoio, no atual momento de pandemia, podem ser acessadas no portal Caixa com sua empresa.

Há possibilidade de suspender o pagamento das parcelas de diversas operações de crédito, capital de giro com garantia do Fampe (Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas), em parceria com o Sebrae, e o GiroCaixa FGI com apoio do FGI (Fundo Garantidor para Investimentos) conforme Peac (Programa Emergencial de Acesso a Crédito), instituído pela Medida Provisória nª 975/2020 de 1º de junho de 2020.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email