Busca por ações baratas faz Bovespa reduzir queda histórica no fechamento

Os investidores viveram uma verdadeira montanha-russa no pregão da quinta-feira. A Bolsa brasileira, que despencou durante toda a manhã e o início da tarde, tomou fôlego próximo ao encerramentos dos negócios.
Para os profissionais de mercado, as ações ficaram baratas demais e começaram atrair compradores. “Quando a Bolsa caiu 8% nós já começamos a ver compras no pregão. Muitos clientes aqui da corretora também entraram no mercado”, afirma Milton Milioni, diretor da corretora Geração Futuro.
O Ibovespa, indicador da Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo), finalizou o dia em baixa de 2,58%, aos 48.016 pontos. O volume financeiro foi bastante alto e mostrou o nervosismo dos investidores: R$ 8,4 bilhões.
A taxa de risco-país, medida pelo índice Embi+ (JP Morgan), bateu os 227 pontos próximo das 17h, um salto de 11,27%.
Os mercados tiveram uma verdadeira crise de pânico, a partir do momento em que cada vez mais fundos de investimentos começaram a reportar problemas de caixa. A crise do setor imobiliário transbordou das fronteiras dos EUA e atingiu empresas na Europa e na Ásia.
“Teve um pouco de exagero, puxado pelo lado da psicologia, mas teve um fato bem concreto: vários fundos tiveram problemas, na Europa, na Ásia, na Ásia e até no Brasil”, afirma o economista-chefe do banco Fator, José Francisco Gonçalves.
Os grandes investidores globais, que têm aplicações espalhadas por vários países, fizeram o já visto em outras crises: venderam papéis nos mercados emergentes para cobrir prejuízos em outras aplicações. “O que nós vimos foi uma crise de liquidez. O grande investidor, mesmo ganhando dinheiro no Brasil, teve que vender para fazer dinheiro. Foi algo até paradoxal, porque ele teve que sair justamente do lugar onde está ganhando”, afirma Milioni.
A má notícia da vez, que estragou de vez o humor dos investidores, foi protagonizada pela empresa americana Countrywide Financial, maior financiadora imobiliária dos EUA. A empresa foi obrigada a tomar US$ 11,5 bilhões para se prevenir contra uma possível falta de crédito na praça. O banco de investimentos Merrill Lynch já havia rebaixado sua recomendação para as ações da empresa. Entre outras notícias, o Departamento do Comércio dos EUA disse que a construção de casas teve queda de 6,1% em julho, caindo para uma taxa anualizada de 1,38 milhão de unidades -uma redução de 20,9% em relação ao mesmo mês de 2006 e a mais baixa taxa desde janeiro de 1997.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email