Brasileiros procuram por estudo e trabalho em outros países

Uma das formas mais seguras e também baratas de se realizar este objetivo é por meio de uma agência de intercâmbio cultural e educacional

A cada dia, o dólar baixo e a busca por novos desafios fazem com que brasileiros de todas as idades procurem por oportunidades de estudo, estágio e trabalho em outros países. Uma das formas mais seguras e também baratas de se realizar este objetivo é por meio de uma agência de intercâmbio cultural e educacional, que faz todo o preparo, deste o contato com as escolas até a casa de família ou hotel onde ficará o brasileiro.
“Oferecemos inclusive apoio psicológico para quem vai (o estudante) e para quem fica (a família), pois para ambos os lados o desafio é grande: nova cultura, cidade, amigos e muitas vezes, até, “nova família”, disse Vera Amaral, diretora da Connection Line, agência de intercâmbio cultural e educacional que já embarcou em 20 anos de mercado mais de 20 mil estudantes para o exterior e disponibiliza em sua agência a psicóloga Andréa Sebben, para estudantes e famílias.
Cilene Freitas, 25, embarca em março para a Irlanda para estudar inglês e também aproveitar os benefícios do trabalho ­legal, autorizado pelas autoridades do país mediante frequência na escola. “Sei que não ganharei muito dinheiro com este trabalho, mas é a oportunidade de aprimorar meu idioma e viajar por toda a Europa, com o dinheiro deste “bico”, chama a estudante, que trabalhará em um restaurante.
Já Rafael Fernandes, 15, faz planos para escolher a melhor universidade, onde pretende fazer o curso de high school –o equivalente ao ensino médio brasileiro. “As agências estão facilitando o pagamento em 10, 20 vezes. Penso em aproveitar a oportunidade para embarcar para Austrália ou Estados Unidos”, contou o estudante que, pretende passar um ano em solo estrangeiro. A mãe apóia: “No começo não gostei muito da idéia, mas tive a preocupação de recorrer a uma agência séria, de tradição no mercado, que assegure a segurança de meu filho e um ensino de qualidade”, desabafou Salete Fernandes, mãe de Rafael.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email