Ações são melhores investimentos que previdência privada, diz especialista

Com alta de quase 30% no primeiro semestre e batendo recordes de movimentação financeira, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) tem despertado o interesse de muita gente por investimentos em ações. A falta de informações, contudo, e a idéia de que a bolsa de valores funciona como uma loteria, são apontadas por profissionais como os principais entraves na hora de arriscar uma aplicação desse gênero.
Para o coordenador do MBA Executivo da Universidade Gama Filho Manaus, José Carlos Reston Filho, a cultura do mercado de capitais não é muito divulgada no Brasil, o que explica o porquê do número reduzido de investidores no país em comparação a outras localidades. “As pessoas olham com certo receio para as bolsas. Não se ensina a investir em ações, o que faz com que muita gente caia em armadilhas como da previdência privada, por exemplo, ou invista seu dinheiro em fundos fixos, menos rentáveis que ações negociadas na bolsa”, afirmou.
Nos últimos cinco anos, segundo a revista “Época”, o número de pessoas físicas que investem diretamente na bolsa passou de 85 mil para 245 mil e o volume médio de negócios nos pregões aumentou 15 vezes.
De 2002 até a metade desse ano, a valorização do Ibovespa (Índice Bovespa), que reflete o desempenho das ações mais negociadas na bolsa de valores de São Paulo, foi de 360%, uma das mais altas do mundo.
Quem pensa em entrar no mercado de capitais, o segredo, segundo Reston, é não considerar esta uma forma de ganhar dinheiro fácil. “O importante é colocar os seus investimentos dentro de uma estratégia de uma aposentadoria, por exemplo”, analisou.

Ibovespa avança 1.200% em três anos

No longo prazo, as ações tendem a render bem mais que a renda fixa. Desde 1994, o Ibovespa subiu 1.200%. No mesmo período, a caderneta de poupança rendeu 100% e os fundos de renda fixas, 600%.
Reston exemplificou a diferença entre os rendimentos apontando as ações da Vale do Rio Doce as quais tiveram rendimento de 45% nos últimos 12 meses, superior a caderneta de poupança, cujo rendimento foi em torno de 10%. Os resultados, analisou o acadêmico, mostram a vantagem de se investir na bolsa de valores. “No Brasil, cerca de 85% dos investidores se encontram nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais”, afirmou o coordenador da Gama Filho. “É importante difundir a cultura do mercado de capitais pelo país”.
Segundo ele, o primeiro passo para os interessados em entrar no negócio é buscar informações e procurar por corretoras de valores, única maneira de se investir na bolsa, que cobram uma taxa que varia de 1% a 4% ao ano para a gestão das aplicações. Em geral, a maioria dos bancos tem sua própria corretora.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email