3G puxa recuperação de indicadores operacionais

A TIM Participações S.A., holding da TIM Celular S.A. e da TIM Nordeste S.A., fechou o segundo trimestre com recuperação nos principais indicadores financeiros e operacionais. A companhia apresentou um aumento anual de 23,1% em sua base, totalizando 33,8 milhões de clientes até junho. A TIM continua com o melhor mix de clientes do segmento Pós-Pago, com 20,2% da base total, mantendo-se superior à média da concorrência de 18,6%. A participação de mercado da operadora é de 25,4%.
A receita líquida total atingiu R$ 3,19 bilhões, com crescimento de 6,5% em relação ao primeiro trimestre de 2008. A receita líquida de serviços apresentou um crescimento anual de 6,8%, alcançando R$ 2,97 bilhões. Na comparação com o trimestre anterior, o crescimento da receita líquida de serviços foi de 4,7%. O resultado foi impulsionado pela contínua expansão do tráfego de voz com incremento de 7% na MOU (Média de Uso de Minutos), que atingiu cem minutos, e pelo aumento do uso de VAS (Serviços de Valor Agregado). No período de um ano, a receita de VAS cresceu 49,1% alcançando R$ 397,1 milhões e já representa 9,8% da receita bruta total de serviços, refletindo positivamente a estratégia da companhia com foco na convergência após dois meses do lançamento de serviços de terceira geração.
O crescimento do MOU é explicado pelo aumento do tráfego devido às tarifas promocionais focadas na elevação da utilização. A Receita Média por Usuário atingiu R$ 29,8, apresentando um aumento de 1,2% em relação ao primeiro trimestre de 2008. O aumento do ARPU e o crescimento do MOU refletem valores próximos à meta do ano. Esta performance demonstra o acerto na dinâmica das ofertas e promoções.

Indicadores operacionais

O Ebitda (resultado operacional antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) totalizou R$ 636,7 milhões, um aumento de R$ 101,3 milhões (ou 18,9%) em relação ao primeiro trimestre do ano, apresentando recuperação de 2,1 pontos percentuais da margem Ebitda, que atingiu 20%. O custo de aquisição de cliente atingiu R$ 119 e se mantém estável e em linha com a estratégia de subsídio orientada a clientes de valor e a eficiência na política de comissão.
Os investimentos totalizaram R$ 1,71 bilhão no primeiro trimestre. Deste total, R$ 1,32 bilhão foram destinados ao pagamento das licenças de 3G (terceira geração). A companhia registrou um prejuízo líquido de R$ 34,1 milhões, com uma redução de R$ 73,9 milhões em relação aos R$ 107,9 milhões de prejuízo apurados no primeiro trimestre de 2008.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email