Feliz 2023, KIEV


O mundo assiste, tenso e com toda atenção, à crise envolvendo a Rússia, China, Estados Unidos e países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), tendo como pivô, o território da Ucrânia e a vida da sua galante população. Pode ter guerra? Não sei, mas seria algo interessante para assistirmos. A minha geração cresceu na Guerra Fria. E isto não acabou, apenas arrefeceu. Agora, estamos à beira de um mega conflito de interesses geopolíticos de proporções inimagináveis. Acredito que muita diplomacia está sendo empregada para evitar o confronto militar. Mas, também acredito que muitas pessoas querem o conflito mesmo. Enfim! Se acontecer o pior, espero que estejamos, todos, por aqui ainda, para comentarmos com os nossos netos. E, tudo fazer parte dos livros de História Geral. Mas, vamos entender a importância de um dos maiores países do velho continente e buscar compreender, com a visão latino-americana, o que está acontecendo. Claro que não sabemos da verdade toda. E nunca saberemos. Só os atores diretamente envolvidos conhecem a dinâmica real dos fatos. E, a verdade cabe, sempre, aos vencedores. Enfim! Mas, vamos nos situar no pivô da crise: a Ucrânia é uma nação da Europa Oriental que faz fronteira com a Rússia a leste e nordeste; Bielorrússia a noroeste; Polônia, Eslováquia e Hungria a oeste; Romênia e Moldávia a sudoeste; e Mar Negro e Mar de Azov ao sul e sudeste, respectivamente. A capital é a linda cidade de Kiev. Ou seja, desnecessário dizer que a Ucrânia está localizada em uma área estratégica vital para muitos povos. Isso, sem considerar a riqueza do seu solo e capacidade tecnológica exuberante. A história ucraniana é rica em invasões de diversos outros povos e ideologias. Destaque para as invasões nazistas e russas. Tente pesquisar com mais profundidade e você irá admirar aquele povo e suas lutas. Tente entender o que foi o genocídio chamado de Holodomor, imposto por Stálin. Interessante é que existe pouca divulgação disso no Ocidente. Por quê? Não sei, mas, sugiro que você assista os filmes “A Sombra de Stálin” e “Colheita Amarga”. E, também, procure se informar sobre a importância do gás russo, que atravessa os gasodutos na Ucrânia e atende, também, à Alemanha,  que não quer o conflito. Bem, isso posto, vamos voltar aos nossos dias. A OTAN, os EUA, a Rússia e a China, possuem excepcionais armas e meios bélicos. E, juntos, possuem, milhares de bombas de extermínio em massa. E numerosos soldados. Se acontecer um conflito, com certeza teremos a Terceira Guerra Mundial. Não quero me lembrar de Albert Einstein quando disse: “Não sei como seria uma Terceira Guerra Mundial, mas uma Quarta Guerra será de paus e pedras”. E, com o histórico de alianças aqui e ali, fatalmente o nosso Brasil estará no jogo. Isso é bom? Sim, pois daí nos livraríamos de pensar, apenas, em política-partidária e COVID. Isso é ruim? É péssimo, pois muitos morreriam e alguns sem saber o porquê da guerra. Mas, hoje, o nosso país é cortejado por muito atores envolvidos. Muito nos querem aliados e muitos nos querem neutros. Isso indica que somos importantes no concerto das nações. E isso é excelente! Mas, vamos esperar que tudo se resolva logo. Sou de opinião que má notícia é melhor que notícia nenhuma. Mas, prefiro a paz. E sei que a paz é muito mais cara que a guerra. Em ambas as circunstâncias, pessoas boas morrem. É a vida !

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário