6ª Lei das 48 Leis do poder

Carlos Silva

“ Chame a atenção a qualquer preço !”. Esta Lei, com certeza, vai ter muitas pessoas, inclusive eu, que não a seguem. Nada contra quem acredita nisso, até porque existem várias profissões cujo sucesso depende, e muito, de você estar sempre na mídia e na moda. Quem vive disse, há de concordar. A televisão ampliou esta dinâmica. E, hoje em dia, as inúmeras mídias sociais transformaram atos e atitudes corriqueiros em verdadeiros espetáculos, com direto a vários milhões de visualizações e comentários. E propaganda agregada. Ou seja: dá lucro. E muito. A essência desta Lei é que, conforme está contido no livro, foco deste artigo, é que se julga tudo e todos pela aparência. É como ir a uma festa, em um ambiente em que você não gosta, a bebida é ruim e a comida é péssima, mas, existem motivos que te interessam no local. Então, você vai à festa para “ver e ser visto”. Lembrando da máxima: “quem não é visto, não é lembrado”. Funciona? Sim. E na maioria esmagadora das vezes. Claro que, em muitas ocasiões, ser discreto não é uma boa ideia. Em outras situações, quanto mais você aparecer, melhor. O livro recomenda que você não fique perdido no contexto de multidões, sendo, apenas mais um número ou mais um item na massa humana. Você deve se destacar no aglomerado de pessoas. O livro recomenda que você seja o foco das atenções. E, também, orienta que você seja maior e melhor que todos. Pelo menos, aparente ser assim, mesmo que a sua ignorância e incompetência sejam gritantes. Quando se diz que você deve aparecer, pouco importa se falam mal ou bem de você. O importante é que falem de você. Eu sei que isso é muito complicado, mas, conheço pessoas e tenho amigos que fazem fortunas agindo assim. Isso é bom? Sim, para eles. Mas, não me serve. Ao menos, não me serve na minha faixa etária. No entanto, quando se está na mídia, no foco, navegando nas ondas cintilantes da fama e do poder, você atrai inveja, inimigos, puxadores de tapetes, bajuladores de plantão à espera do seu fracasso. Ou seja, você aumenta, e muito, a coleção de inimigos. E, no mundo real, não importa quem você seja ou o que faça: você tem inimigos e causa inveja a muita gente. Vale a pena aumentar os riscos? Por outro lado, na selva do mercado, você tem que correr em busca do seu sucesso,  da sua vaga e o deu lugar ao Sol. Mas, qual o preço que você está disposto a pagar? Ou, qual aposta você quer tentar? Alguns dizem que a vida é um somatório de situações arriscadas onde, por vezes, se escolhe o caminho errado. Outros dizem que nada é tão ruim que não possa piorar e muito. Eu, particularmente, tenho um slogan de vida: “fácil foi ontem”. E a vida segue o seu curso.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário