18 de maio de 2021

Alta dos imóveis em Manaus no topo do país

O preço médio do metro quadrado dos imóveis de Manaus desacelerou na virada do ano, mas a alta registrada foi a segunda mais elevada do país. O reajuste foi de 1,43%, elevando o valor de R$ 5.047 para R$ 5.176. Em dezembro, a expansão havia sido de 2,65%. As informações estão no Índice FipeZap, estudo mensal que acompanha as flutuações do mercado imobiliário de 50 cidades brasileiras. Na média nacional, o indicador registrou a quarta subida, no mês passado (+0,35%) – pouco abaixo dos +0,46% de novembro. 

Em contraste, a capital amazonense subiu da segunda para a primeira posição, no acumulado dos últimos 12 meses, e teve os preços de seus imóveis corrigidos em 11%, na média. Na sequência, vieram Brasília (+9,52%), Maceió (+9,48%), Curitiba (+9,32%), Vitória (+7,78%), Florianópolis (+7,35%) e Campo Grande (+5,12%). São Paulo e Rio de Janeiro encerram o ano com incrementos médios de 3,91% e de 1,88%, nos preços de seus imóveis. Em síntese, todas as capitais brasileiras registraram aumentos de janeiro a dezembro de 2020, com exceção de Recife (-0,28%).

O bairro Adrianópolis (R$ 6.186), na zona Centro-Sul da cidade, subiu da segunda para a primeira posição e passou a contar com o metro quadrado mais caro de Manaus, em janeiro. O bairro Ponta Negra (R$ 6.123), na zona Oeste, ficou em segundo lugar e foi o único a registrar alta mensal. Foi seguido por São Jorge (R$ 5.570), na zona Oeste, e Nossa Senhora das Graças (R$ 5.421), na zona Centro-Sul. A Praça 14, na zona Sul, que chegou a encabeçar o ranking no último trimestre, não apareceu na listagem de janeiro. 

Na outra ponta, Lago Azul (R$ 2.901), Tarumã (R$ 2.934), Japiim (R$ 2.958), Tarumã Acú (R$ 3.300) e São José Operário (3.626) – nas zonas Norte, Oeste, Sul, Oeste e Leste, respectivamente – contabilizaram os menores valores imobiliários, todos abaixo da média da cidade (R$ 5.176). Na variação mensal, Tarumã e Japiim experimentaram valorização, em detrimento de Lago Azul. Tarumã Açu e São José Operário, por outro lado, tomaram o lugar de Cidade Nova e Santa Etelvina – ambos na zona Norte – no rodapé do ranking imobiliário manauense de janeiro. 

Dados fornecidos pela pesquisa da FipeZap indicam que o Amazonas contava com 670 mil domicílios cadastrados em 2018, sendo que 115 mil deles eram apartamentos – ou 17,16% do total – construídos em uma área territorial total de 11.401 metros quadrados. O PIB per capta era estimado em R$ 33.564 no mesmo ano, para uma população residente estimada em 2,183 milhões. A renda média domiciliar per capta, no entanto, era de apenas R$ 1.078. 

Abaixo da média

Na média nacional, o Índice FipeZap pontuou variação positiva de 0,35%, entre dezembro e janeiro, superando o comportamento esperado para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) esperado para o período (+0,30%), pelos analistas consultados semanalmente na pesquisa Focus, do BC (Banco Central). 

Apesar dos elevações mensais contínuas nos preços imobiliários da capital amazonense, seu valor médio de metro quadrado (R$ 5.176) segue aquém da média nacional (R$ 7.524), por uma diferença de 31,21%. Pela base de dados do FipeZap, Manaus ainda tem preço médio próximo ao de cidades paulistas como Guarulhos (R$ 5.041), Diadema (R$ 5.062) e São Bernardo do Campo (R$ 5.080), ou mesmo do Espírito Santo – Vila Velha (R$ 5.041). 

A capital amazonense está em 13º lugar entre as 16 capitais listadas pelo indicador FipeZap, ficando à frente apenas de João Pessoa (R$ 4.544), Goiânia (R$ 4.531) e Campo Grande (R$ 4.306), e logo atrás de Maceió (R$ 5.389) e Salvador (R$ 5.252). O Rio de Janeiro, por outro lado, voltou a encabeçar o ranking, com o metro quadrado mais caro (R$ 9.470), sendo seguido por São Paulo (R$ 9.366) e Brasília (R$ 8.099). 

Oferta e procura

Em princípio, o presidente do Sinduscon-AM (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas), Frank Souza, descarta a influência da escalada dos preços dos materiais de construção na precificação do metro quadrado pela sondagem da FipeZap, já que os produtos analisados seriam imóveis consolidados e já prontos. O dirigente avalia que a elevação ocorre por uma simples dinâmica de oferta e procura, com a flutuação de estoques, mediante o reaquecimento da demanda. 

O presidente do Sinduscon-AM reforça ainda que o preço do metro quadrado de Manaus segue “em patamar muito abaixo” do registrado pela média brasileira e atribui esse diferencial ao mix de lançamentos locais e os correspondentes insumos empregados pelas construtoras amazonenses.

“O produto imobiliário mais ofertado por aqui é o econômico. Imóveis de padrão médio e alto estão sendo pouco produzidos e, além disso, há um estoque no mercado de médio para baixo e não o contrário”, justificou. 

Estoques e insumos

Em depoimento anterior à reportagem do Jornal do Commercio, o diretor da Comissão da Indústria Imobiliária da Ademi-AM (Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas), Henrique Medina, também apontou que os valores imobiliários locais ainda estão abaixo de outras regiões e considera que Manaus poderia até atuar com preços mais altos, especialmente diante do atual momento de aquecimento e valorização imobiliária.

O dirigente atribuiu as elevações seguidas nos preços de Manaus a um movimento de reequilíbrio de mercado, após as empresas queimaram o estoque de lançamentos antigos com valores aquém do necessário para a manutenção das contas. A renovação dos estoques e a inflação dos insumos, teriam mudado o cenário para uma tendência de alta. “Os preços devem permanecer assim, caso não ocorram novas altas nos materiais”, encerrou. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email