Zoneamento Agrícola orienta produtor rural

Muito exposta às intempéries climáticas, a agricultura é uma atividade de alto risco. Para minimizar prejuízos relacionados ao clima, o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) desenvolveu o zoneamento agrícola de risco climático. Primeiro, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) desenvolve um estudo que indica as exigências mínimas de cada cultura a ser zoneada.
Com base nesse estudo, em séries históricas climáticas de no mínimo vinte anos e nas características dos solos, uma empresa contratada pelo Mapa elabora um calendário de plantio por município, por tipo de solo e por cultivar. O objetivo é evitar que adversidades climáticas recorrentes atinjam as lavouras em suas fases de desenvolvimento mais sensíveis. Esses estudos são revisados anualmente e indicam também as cultivares e respectivos ciclos adaptados às diversas regiões.
O produtor deve usar essa ferramenta porque ela indica que em dez safras há a possibilidade de se obter sucesso em pelo menos oito. Para fazer jus ao Proagro, ao Proagro Mais e à subvenção federal ao prêmio do seguro rural, o produtor tem que observar as recomendações desse pacote tecnológico. Além disso, alguns agentes financeiros já estão condicionando a concessão do crédito rural ao uso do zoneamento. Realizado em quase todas as Unidades da Federação, o zoneamento já abrange 25 culturas.
Entre as culturas de ciclo anual já contempladas com o zoneamento estão algodão, arroz, amendoim, canola, cevada, feijão phaseolus, feijão caupi, girassol, mandioca, milho, soja, sorgo e trigo. As culturas de ciclo permanente agrupam ameixa, banana, café, caju, coco, dendê, maçã, mamona, nectarina, pêra, pêssego e uva. No texto das portarias publicadas no Diário Oficial da União o produtor encontra informações para seguir corretamente os indicativos do zoneamento. As portarias indicam o período de plantio recomendado por tipo de solo e por ciclo de cultivar para cada município. Também são listadas todas as cultivares adaptadas para cada região.
Para saber mais consulte sua cooperativa, associação de produtores, agente financeiro ou a Coordenação Geral de Zoneamento Agropecuário do Mapa no e-mail [email protected]ícola.gov.br

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email