Vereadores debatem mais uma CPI

A crise no transporte coletivo, a possibilidade de instalação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a planilha do transporte público de Manaus e a mobilidade urbana foram alvos de discussão na CMM (Câmara Municipal de Manaus), na manhã desta quarta-feira (14). Os vereadores criticaram, inclusive, à condução do SRTM (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Manaus), nas mãos dos irmãos Oliveira (Givanci e Josildo Oliveira), baseados nas denúncias de corrupção e sucessivas greves prejudiciais à população.
O vice-líder do prefeito Arthur Virgílio Neto na CMM (Câmara Municipal de Manaus), vereador Ednailson Rozenha (PSDB), questionou a decisão do vereador Plínio Valério (PSDB), da base aliada, que assinou, em ano eleitoral, o requerimento da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o sistema de transporte público da cidade. O requerimento já conta com dez das 14 assinaturas necessárias. Além de Plínio, outro vereador do PSDB também assinou o documento, Mário Frota.
Nas discussões em plenário, Plínio Valério vê na criação de uma linha fluvial urbana, saindo do bairro Mauazinho (zona Leste) à Marina do Davi, Ponta Negra (zona Oeste), a alternativa para a mobilidade urbana da capital.
O vereador se disse também indignado com a ‘roubalheira’ no transporte público, conforme denunciado pela imprensa, envolvendo acusações entre o Sinetram (Sindicato dos Rodoviários e Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros), reafirmando sua assinatura no requerimento de pedido de CPI liderado pela oposição na Câmara, que atualmente mantém dez assinaturas. Para a instalação da CPI, são necessárias 14 assinaturas.
Valério criticou o fato dos incentivos concedidos pelo governo do Estado e da Prefeitura de Manaus não retornarem em benefício do povo. Segundo ele, o ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB) concedeu o benefício no ISS (Imposto Sobre Serviço) para as empresas baixando o imposto de 5% para 2%. E depois o ex-governador Eduardo Braga (PMDB) concedeu uma renúncia de R$ 720 milhões de ICMS ( (Imposto sobre Circulação de Mercadoria) e o ex-governador Omar (Aziz) ajudou com o IPVA (Imposto sobre Veículos Automotores).
Para ele, quem pensa que o prefeito Arthur Neto é contra a CPI está enganado. “No Congresso Nacional ele assinou todas as iniciativas de CPI. E eu assinarei tantos quantos requerimentos forem apresentados de CPI”, disse. Segundo ele, o dinheiro do povo dado para empresário que não volta. “A caixa-preta (do transporte coletivo) não se abre. Minha assinatura vale pela assinatura de Arthur, porque ele assinaria esse pedido de CPI”, reafirmou.

Troca de farpas
O vereador Marcelo Serafim, o próximo a se pronunciar sobre o assunto, saiu em defesa da gestão de seu pai, o ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB). “Esqueceu de falar das taxas da SMTU que reduziram de 8% para 0%, que bancavam a SMTU e hoje é bancada pelo dinheiro da cidade de Manaus; e de renúncias fiscais de Omar, e Arthur e de Eduardo Braga”, disse ele, ao explicar que essa redução de imposto quem paga é o povo. Marcelo Serafim sugeriu que Valério estaria sendo maldoso e desonesto ao dizer que quando a tarifa é desonerada, a prefeitura está tirando dinheiro do povo para dar a empresários. “É maldade, falta de honestidade, uma vez que o subsídio é para ajudar na manutenção da tarifa”, bradou.
Vice-líder do prefeito, o vereador Ednailson Rozenha (PSDB) é contra a CPI e acha que ela vai constranger o prefeito que está tentando encontrar um caminho para resolver o problema do transporte coletivo em Manaus, que, segundo ele, como todos sabem envolve pessoas inescrupulosas, com bandidos de um lado e de outro.
O vereador Luiz Neto (PSDC) destacou os números da reportagem criticando o fato do Sindicato estar sendo administrado por um presidente que responde seis processos na Justiça e ser o responsável por 40 paralisações no sistema. “Eles estão brincando com a população”, afirmou.
Também se pronunciaram os vereadores Rosivaldo Cordovil (PTN), Professor Bibiano (PT) e Waldemir José, ambos do PT. Bibiano enfatizou o sistema caótico e a necessidade de passar a limpo o sistema de transporte coletivo, por meio da CPI. A CPI, na sua avaliação é um instrumento da Câmara Municipal de Manaus para dar uma resposta sobre a situação do transporte público à população.
Mais
denúncias
Waldemir José, por sua vez, destacou da reportagem na imprensa, o fato de um empresário de ônibus confirmar “pagamento de propina” aos irmãos Oliveira. Para o vereador, isso confirma que há dinheiro no sistema, o que comprova o sobrepeso na tarifa cobrada. Segundo ele, na fiscalização que fez nos terminais, constatou que as empresas não cumprem os acordos quanto ao horário dos ônibus. “De 6h às 8h, constatei que de 18 viagens foram feitas só nove”, afirmou.
O vereador defende a CPI e o poder independente da Câmara em fiscalizar o serviço. O vereador disse acreditar que a oposição petista consiga as 14 assinaturas necessárias para a instalação da Comissão parlamentar de Inquérito. Já assinaram até agora, além de Waldemir José, Rosi Matos e Professor Bibiano, os autores, os vereadores Plínio Valério (PSDB), Mário Frota (PSDB), Gilmar Nascimento (PDT), Marcel Alexandre (PMDB), Isaac Tayah (PSD) e Massami Miki (PSL). “Acredito que a gente consegue essas 14 assinaturas, pois a cidade precisa passar essa tarifa do sistema de transporte coletivo a limpo”, disse.
Júnior Ribeiro (PTN) acha preocupante a diretoria do Sindicato dos Rodoviários estarem envolvidos em denúncia, o que prejudica a todos.
O vereador Francisco da Jornada (PDT) sugeriu a abertura de uma CPI para investigar o Sindicato dos Rodoviários, por causa das denúncias. “Aí eu apoio a CPI”, garantiu.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email