Venezuela e China discutem novas parcerias no setor de petróleo

O ministro do Petróleo e da Energia da Venezuela, Rafael Ramirez, chegou ontem em Pequim para discutir com representantes do governo e de empresas da China a respeito de projetos de joint-venture em refinarias e do investimento chinês nas reservas de petróleo pesado da Venezuela.

Embora as companhias de petróleo chinesas não tenham participado da rodada do leilão de petróleo de Carabobo, da Venezuela, há uma semana, os dois países mantêm amplos laços na área de energia, que foram aprofundados recentemente por novos acordos sobre petróleo. Em 29 de janeiro, o presidente Hugo Chávez disse que foram recebidas duas propostas no leilão, o primeiro grande de direitos de produção de petróleo na Venezuela desde que ele assumiu a presidência em 1999.

No fim de dezembro, a China National Offshore Oil Corporation (Cnooc) se uniu às duas maiores estatais petroleiras do país já ativas na Venezuela ao assinar um pré-acordo para ajudar a desenvolver o bloco de Boyaca-3 na bacia do Orinoco, no leste do país.

Ramirez, que é também presidente da petroleira estatal Petróleos de Venezuela SA (PdVSA), vai visitar a Cnooc, a China National Petroleum Corp (CNPC) e a China Petrochemical Corp (grupo Sinopec), e se reunir com representantes do planejamento econômico estatal, do Banco Nacional de Desenvolvimento da China e da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, disseram fontes.

Em dezembro, a CNPC também assinou um pacto para desenvolver um bloco na bacia do Orinoco, que pode produzir 400 mil barris de petróleo por dia. A Sinopec e a CNPC estão estudando a construção de refinarias na Venezuela, enquanto a CNPC e a PdVSA planejam construir uma grande refinaria na província de Guangdong, sul da China, para processar petróleo venezuelano.

Estas medidas derivam dos esforços da Venezuela para financiar o desenvolvimento de suas enormes reservas de petróleo e diversificar as vendas para além de seu principal mercado, os EUA, incluindo a elevação das vendas para a China para 1 milhão de barris por dia.

Dados da alfândega chinesa mostram que a China importou uma média de 105 mil barris por dia de petróleo da Venezuela em 2009. A Cnocc está avaliando os dados. A China e a Venezuela têm um fundo de desenvolvimento conjunto no qual Pequim colocou US$ 8 bilhões em troca de petróleo. O fundo paga por projetos de infraestrutura na Venezuela.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email