Varejo tem prejuízo de R$ 12 bi com falta de produtos

Quando o consumidor dirige-se ao supermercado e não encontra o produto desejado na prateleira, a irritação e frustração dele transformam-se em prejuízos tanto para o varejista quanto para o fabricante. Estima-se que os lojistas percam aproximadamente 40% das compras planejadas e os fabricantes 35% quando o cliente se depara com a falta de produtos nas gôndolas (rupturas).
Para atacar esse problema, responsável por um prejuízo anual da ordem de R$ 12 bilhões em vendas não realizadas, a Associação ECR Brasil (www.ecrbrasil.com.br) desenvolve desde setembro do ano passado a Campanha do Bilhão. O quarto fascículo, cujo tema retrata os desafios da reposição dos produtos nas prateleiras, já está disponível gratuitamente para supermercadistas, fornecedores e demais integrantes da cadeia de abastecimento no site da entidade.
“Uma das mais frequentes causas de rupturas é a falha do reabastecimento de gôndola, ou seja, apesar de a mercadoria estar no estoque de retaguarda, ela não é reposta em tempo hábil. São os famosos últimos 50 metros da cadeia, o espaço entre a retaguarda e a prateleira. Esta situação é responsável por mais de 21% das rupturas -não muito diferente do que se observa em lojas da Europa ou América do Norte”, explicou o superintendente da Associação ECR Brasil, Claudio Czapski.­
A falta de produtos nas prateleiras ocorre corriqueiramente em estabelecimentos comerciais de todas as partes do planeta. No Brasil, uma pesquisa realizada pela Associação ECR Brasil em parceria com a Abras (Associação Brasileira de Supermercados) e a Nielsen, revelou que pelo menos oito em cada cem produtos procurados no momento da compra não estão disponíveis para o consumidor no momento das compra.
“A pesquisa foi realizada junto a supermercados de grandes redes, localizados na Grande SP e na Grande Rio, e os produtos pesquisados eram de grandes fabricantes, o que leva a concluir que em outros cenários, num país com dimensões continentais, a falta de produtos nas gôndolas seja muito maior”, explicou o superintendente da Associação ECR Brasil, Claudio Czapski.

Planejamento estratégico diminui rupturas

A Campanha do Bilhão consiste em identificar as principais causas e combater sistematicamente as rupturas por meio da adoção de processos e melhores práticas desenvolvidas e recomendadas pelas empresas participantes. Para ajudar os varejistas a entidade dividiu os temas em cinco fascículos: como resolver/atacar o problema em sua loja; como identificar e cadastrar produtos, como fazer suas previsões de vendas, como desenvolver sua logística para abastecer as gôndolas e como definir o sortimento e o uso do espaço.
Para combater as rupturas, de acordo com Claudio Czapski é necessário encontrar a causa-raiz do problema. Reduzir ou eliminar a falta de produtos demanda análise detalhada da cadeia de abastecimento, identificando as falhas que ocorrem em qualquer um dos processos relacionados ao abastecimento. Algumas soluções em conjunto com os fornecedores, segundo ele, podem ajudar a evitar as ocorrências. Uma delas é a identificação e cadastro de produtos e envolve desde o uso correto do código de barras até a descrição do produto e abreviações utilizadas. É necessário também estar atento à previsão de vendas e à demanda, assim como ao pedido mínimo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email