3 de dezembro de 2021

Varejo de shopping mantém otimismo para Black Friday

As vendas para a Black Friday não devem sofrer desajustes por conta da falta de insumos que atinge a indústria em todo país. Quem descarta essa possibilidade é a Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping). 

“Resumidamente, em função do dólar alto e a carência de matérias primas, pode ser que ocorra um ou outro produto que vai estar com o estoque diminuído, porém, isso não traz problema para o varejo, pois dentro do varejo é fácil de substituir produtos e ainda poder satisfazer os clientes com produtos secundários”, afirma o diretor de relações institucionais da Alshop, Luis Augusto Ildefonso.

De acordo com IIdefonso, este ano, a Black Friday será melhor do que o ano passado, mas ainda tem uma legião de consumidores que estão tímidos em relação às compras nos empreendimentos. “É fácil afirmar que a data terá um fluxo bom, mas não nas intensidades de 2019. A data vai trazer resultados relativamente menores em crescimento, mas  não será fruto de escassez ou falta de produto”. 

De acordo com o diretor da Alasc (Associação de Lojistas do Amazonas Shopping), André Gesta, alguns lojistas estão com redução de estoques com fornecedores de produtos importados. “Mas em razão da pandemia. Acabaram cancelando pedidos que seriam para abastecer os estoques do fim de ano”. 

Ele diz que aqueles que atuam no mercado de importados estão sofrendo mais. “Em razão do problema global que as indústrias estão passando, as mercadorias nacionais são impactadas, mas em casos específicos não chega a ser tão sentido como os produtos importados”. 

Estoques

No portal Terra,  Luis Augusto Ildefonso informou que  por conta de todos os problemas, os lojistas já trabalham com estoques mais baixos para atender os clientes neste fim de ano. 

O executivo diz ainda que os lojistas têm o desafio de fazer uma black friday com promoções ainda mais interessantes que as oferecidas no ano passado, por conta do reajuste de preços.

“No ano passado, o lojista tinha mercadoria e bons preços, mas não tinha o cliente na loja. Hoje, é o contrário. O consumidor está presente, mas ou faltam produtos ou os produtos estão mais caros”, disse.

Produtos mais caros 

O presidente da Fcdl-AM (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Amazonas), Ezra Azury Benzion, reforça que a inflação atinge diretamente o bolso do consumidor reduzindo o poder de compra, com isso trazendo um reflexo de uma possível queda de vendas no fim de ano. “Os principais vilões da região é o frete que aumentou bastante e com isso toda a cadeia de produtos acaba chegando mais caro na nossa região”, diz o presidente.

Ezra defende que  o comércio pode viver de promoções, mas num período curto, porque ela serve para alavancar, mas não pode ser o principal mecanismo de venda. “O comércio tem que estar saudável, tem que comprar, vender e ter sua margem de lucro”. 

“O comércio não é responsável pelo aumento de preços, apenas repassa. Infelizmente existe um aumento mundial de commodities, falta de insumos nas fábricas, temos interrupturas na entrega de produtos e isso acaba afetando os preços na ponta” .

O dirigente afirma que todas as datas com forte potencial  para o segmento  como o Dia das Mães, dos Pais e o Dia dos Namorados tiveram crescimento em relação ao ano passado. E diz que apesar de todos os gargalos, continua acreditando que o varejo terá crescimento nas próximas datas como Dia das Crianças, Black Friday, Natal.

Vale lembrar que os sucessivos aumentos no valor do combustível, energia elétrica tem tido grande influência no valor dos produtos como alimentação entre outros  Pesquisa realizada com consumidores em todo país apontam que em média cerca de 60% desses consumidores vão deixar de consumir nas datas comemorativas de fim de ano.

Opinião

O presidente do Sindecon-AM (Sindicato dos Economistas do Estado do Amazonas) e consultor empresarial, Marcus Evangelista, admite que essa subida de preços é sempre esperada , independente dos fatores adversos como falta de insumos, alta no frete e alta no dólar, toda vez que a procura é maior que a oferta , ocorre a alta nos preços . “Nessas datas os empresários sabem que a demanda pelos produtos é crescente , assim eles aproveitam para aumentar suas margens de lucros para compensar a época das “vacas magras”.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email