Manaus amanheceu ontem impactada pela falta de oxigênio nas principais unidades de Saúde, o que gerou a perda de um número ainda não calculado de vidas e levou o Governo a decretar um lockdown entre as 19h e as 6h por dez dias. Depoimentos emocionados e desesperados pulularam nas redes sociais, aplicativos e órgãos de imprensa. Imagens como a de cinco pessoas dividindo um cilindro no Platão Araújo, do Pronto Atendimento da Alvorada fechando as portas por absoluta incapacidade de atender, da Polícia cercando o 28 de Agosto, temendo invasões e protestos, fizeram com que a cidade vivesse um dia de cão. Era visível o abatimento do governador Wilson Lima (PSC) ao anunciar novas medidas. As expressões de seus auxiliares traduziam o pânico e a impotência diante da realidade que se impunha. Os supermercados lotaram assim que o novo decreto foi anunciado e muitas pessoas se refugiaram em sítios ao redor da cidade, fugindo da situação de caos na saúde pública.

DEBANDADA

Quem tem posses e contraiu Covid-19 está fugindo de Manaus em UTIs aéreas. Também debandaram pessoas da classe média e classe alta, que lotam vôos em direção a cidades brasileiras menos impactadas e até para o exterior. A cidade tende a reviver cenários muito parecidos com os registrados na China e na Europa no início da pandemia.

OXIGÊNIO

oxigênio
Lucas Silva/Secom

O Governo do Estado foi buscar oxigênio nas empresas que produzem e vendem o produto, chegando a confiscar cargas destinadas à iniciativa privada. Também houve doações de grandes empresas do Polo Industrial de Manaus. O Governo Federal deflagrou uma operação destinada a buscar cilindros com o gás em outros Estados. Ceará e São Paulo foram os primeiros a disponibilizar.

EXPLOSÃO

O consumo de oxigênio nos últimos dias bateu um pico que corresponde a sete vezes em relação a dias normais e mais que o dobro do que foi consumido no pico anterior da pandemia, entre os meses de abril e maio. Não havia previsão capaz de antecipar esse cenário e os técnicos correm para refazer os planos e projetar os próximos dias.

RECORDE

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, por meio do Boletim Diário de Covid-19, edição de nº 286, trouxe o diagnóstico de 3.816 novos casos de Covid-19, totalizando 223.360 casos da doença no Estado. Recorde absoluto. Segundo o boletim, foram confirmados 51 óbitos por Covid-19, sendo 44 ocorridos anteontem e sete encerrados por critérios clínicos, de imagem, clínico-epidemiológico ou laboratorial, elevando para 5.930 o total de mortes.

EVACUAÇÃO

governo
Divulgação

Os governos do Amazonas e Federal lançaram, nesta quinta-feira (14), um Plano de Cooperação, com o apoio de outros cinco estados brasileiros, para o transporte aéreo e tratamento, num primeiro momento, de 235 pacientes acometidos pela Covid-19 em Manaus, cujos quadros clínicos são considerados moderados. A medida, anunciada pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, em pronunciamento à frente do Comitê de Resposta Rápida nas redes oficiais do Governo do Estado, foi tomada com base na escassez de oxigênio para suprir a demanda gerada com o aumento de hospitalizações decorrentes da pandemia na rede pública estadual de saúde.

ÔNIBUS

Por determinação do prefeito David Almeida (Avante), o Instituto Municipal de Mobilidade Urbana irá colaborar com o decreto de toque de recolher do governo do Estado, com a redução da circulação da frota de ônibus do transporte coletivo da cidade, para 25%, a partir das 19h e até as 6h.

PASSAGENS

Uma dúvida frequente nos canais de atendimento do Instituto Estadual de Defesa do Consumidor é em relação às passagens aéreas que precisaram ser canceladas por conta da pandemia de Covid-19. Recentemente, as regras especiais para mudança de voos foram atualizadas pelo Governo Federal, por meio da Lei nº 14.034. Com isso, quem comprou passagem para o período entre 19 de março de 2020 e 31 de outubro de 2021 poderá adiar a viagem sem precisar pagar multa.

BOA NOVA

Em meio ao caos, uma boa notícia: levantamento da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas aponta que Manaus teve quedas recordes nos principais indicadores de criminalidade em 2020. Crimes contra o patrimônio e contra a vida tiveram reduções de até 28% na comparação com o ano de 2019, resultado das ações policiais integradas mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus. 

FRASES

Wilson

“São medidas duras, mas necessárias.” Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas, sobre o novo decreto que publicou ontem

“Não é hora de apontar o dedo para ninguém.” Eduardo Braga (MDB), senador, pedindo que o Governo Federal assuma a saúde no Amazonas

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email