Trip quer mais incentivos para baixar tarifas

Em resposta à briga iniciada pelos deputados estaduais há mais de um ano contra os preços abusivos das tarifas aéreas regionais e da falta de oferta de vôos para o interior do Amazonas, uma das empresas que operam na região, a Trip Linhas Aéreas, anunciou ampliação em sua malha aérea dentro do Estado, avisou que vai tentar reduzir em 5% o valor das tarifas, mas solicitou novos incentivos para viabilizar os pedidos dos deputados do Amazonas.
De acordo com informações da Trip, os municípios de Boca do Acre, Maués, Borba, Manicoré, Carauari e Eirunepé poderão ganhar vôos regulares da empresa ainda este ano, caso os aeroportos dessas cidades fiquem em conformidade com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). A garantia foi dada, esta semana, pelo diretor de Marketing e Vendas da Trip, Evaristo Mascarenhas de Paula e o gerente regional de Vendas, Lucas Frade, durante reunião na ALE (Assembléia Legislativa do Estado) para discutir a diminuição da tarifa aérea regional, solicitada pelos deputados Adjuto Afonso (PP) e Marcos Rotta (PMDB). Além do parlamentar, participaram da reunião os deputados Luiz Castro (PPS) e Wilson Lisboa (PCdoB). Segundo Rotta, que também é presidente da CDC (Comissão de Defesa do Consumidor) da ALE, a reunião com os representantes da empresa foi mais uma solicitação dos parlamentares. “É uma cobrança nossa. Há meses a Comissão vem acionando a justiça, o Ministério Público contra estes abusos. O nosso Estado é o que mais sofre pela escassez e péssima qualidade de todos os serviços, inclusive de transportes aéreo”, avaliou.

Empresa alega passar Dificuldades na região

Em defesa da empresa, o diretor de Marketing e Vendas, Evaristo Paula, explicou que a principal dificuldade da operacionalização da Trip nessas cidades é quanto a falta de estrutura dos aeroportos, que não disponibilizam de aparelho de raio-X e um carro do Corpo de Bombeiros com brigada de incêndio treinada. “Assim que esses municípios resolverem esse impasse, já poderemos operar nessas cidades. Temos interesse em voar em outros municípios do Estado. No entanto, temos que atender as exigências da Anac”, justificou.  
Para Marcos Rotta trata-se de uma obrigação das operadoras de transportes aéreos resolver os problemas existentes, melhorar a qualidade do serviço, aumentar a oferta e baixar as tarifas abusivas que são cobradas. “Viajar de um município do Amazonas a outro é mais caro do que viajar para fora do Estado, com destino a cidades turísticas”, analisou.
Segundo os deputados, o governo do Amazonas concede incentivos de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) no combustível de avião, esperando, em contrapartida, uma redução nos preços das passagens. “Mesmo com a Lei aprovada pelos parlamentares, beneficiando as companhias aéreas, não houve melhorias. Vou levar esta questão ao governador ainda esta semana. O desenvolvimento regional está em jogo. Trata-se de um problema que precisa ser resolvido”, disse Marcos Rotta.
Apesar da cobrança dos deputados, o gerente da Companhia informou que empresa ainda não foi beneficiada pela subvenção do combustível, aprovada na ALE em agosto do ano passado que diminui a alíquota do ICMS das empresas de transporte aéreo, e por isso o valor da passagem aérea permanece inalterada.

Empresa quer mais incentivos

Segundo o gerente regional de Vendas da Trip, Lucas Frade, para diminuir os custos seria necessário ainda oferecer mais opções de abastecimento do querosene de aviação (QAV) nos aeroportos, diminuir pousos intermediários desnecessários, não ter restrição de assentos, diminuir o custo do QAV e dispor de balizamento noturno.
“Esses entraves impedem de colocarmos uma tarifa mais baixa. Mas com o apoio dos deputados podemos diminuir esses custos e, com isso, baixar o valor das passagens”, afirmou. Atualmente, a empresa tua em 13 municípios do Amazonas, mas o abastecimento das aeronaves somente é feito nas cidades de São Gabriel da Cachoeira, Tefé, Manaus e Tabatinga. “Tabatinga possui o preço do combustível mais caro do País”, reclamou o gerente.
“Para voar no Amazonas tem que ter muito planejamento e técnica. E a falta de disponibilização de cidades para abastecermos também encarece o valor da tarifa”, completou Euvaristo.
O deputado Adjuto Afonso (PP) informou, na ocasião, que será feito o possível para que os pedidos da Trip sejam atendidos, principalmente, que os municípios possam oferecer as condições mínimas de segurança. Ele disse ainda que empresa vai encaminhar essa semana um estudo técnico de todos os aeroportos do Amazonas, além da planilha de custos da empresa para ser avaliado pelos parlamentares.
“Vamos avaliar esses estudos e movimentar todos os deputados da Casa, além da bancada federal do Amazonas, em Brasília. Queremos melhorar a aviação regional e, principalmente, baixar os custos das passagens, aumentado a malha viária e beneficiando a população que acaba pagando um preço elevadíssimo para se delocar dentro do Amazonas”, afirmou.
Marcos Rotta informou que, durante a reunião, a Trip Linhas Aéreas se comprometeu apenas a praticar uma redução de, pelo menos, 5% no valor das tarifas, ou aumentar a quantidade de tarifas promocionais. No entanto, a população e o consumidor pode continuar denunciando ao Ministério Publico, ao Procon (Programa de Proteção e Orientação ao Consumidor) e à CDC da Assembléia dos deputados.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email