Tribunal deve votar pesquisa com células-tronco

O Supremo Tribunal Federal deve julgar em fevereiro a ação que questio­na a constitucionalidade das pes­quisas com células-tronco embrioná­rias. A previsão é do relator da Ação Direta deInconstitucionalidade, mi­nis­tro Carlos Brit­to. Ele e a presidente do Supremo, ministra Ellen Gracie, se reuniram na quinta-feira, com um grupo de cientistas para tratar do assunto. “Falamos da importância das pesquisas e da necessidade do julgamento o mais rápido possível”, afirmou a geneticista Mayana Zatz, da Universidade de São Paulo.

O ministro garantiu que vai trabalhar nas férias para con­cluir o voto e entregar à presidente logo no retorno do recesso, em fevereiro, para inclusão em pauta.

De acordo com Mayana, os comitês de ética das instituições de pesquisa não têm aprovado os estudos porque estão esperando a decisão do Supremo. Por isso, as pesquisas estão paradas. As células-tronco podem ser usa­das no tratamento de doenças neuromusculares, cardíacas, paraplegias, diabetes e Mal de Parkinson.

Na ação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal em maio de 2005, o ex-procurador-geral da República Cláudio Fonteles questiona o artigo 5º da Lei de Biossegurança (Lei 11.105/05). O dispositivo libera o uso de células-tronco obtidas de embriões humanos produzidos por fertilização em laboratório, para fins de pes­quisa e terapia.

Fonteles argumenta que a vida começa na fecundação e, por isso, o procedimento vai contra o artigo 5º da Constituição, que garante a todos o direito à vida. Para obter as células-tronco, é pre­ciso destruir os embriões. Ao julgar a ação, o Su­pre­­mo terá de responder quan­do começa a vida.

O presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Marco An­tonio Raupp, garante que os embriões usados nas pesquisas são aqueles que já seriam descartados na fertilização artificial e que o uso desses embriões pa­ra pesquisas tem que ter a concordância dos casais. Ele também esteve com os ministros do Supremo nesta quinta fazendo coro ao apelo pela votação da matéria na corte. Ele ressaltou as conseqüências da demora da decisão para a ciência e a sociedade brasileira. “Sabe o que vai acontecer? O Brasil tem hoje um bom conhecimento do tema, mas com as pesquisas paradas, va­mos ter que pagar royalties ca­ríssimos quando forem descobertas curas para doenças. Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém pára.

Essa não é uma questão de interesse da comunidade científica, mas de toda a sociedade”, afirmou Raupp.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email