14 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Transparência vira remédio anti-crise

Para o ­negócio continuar ­lucrativo é ­fundamental que todos colaborem diante das ­situações de ­conflito, diz o ­consultor

Segundo o consultor Fábio Astrauskas, em um processo de recuperação de uma ­empresa em crise é importante que haja transparência com os stakeholders, que podem ser divididos em cinco grupos: os financeiros, os fornecedores, os clientes, os empregados e os próprios acionistas. Essas ­entidades, por sua vez, devem ter a mesma postura em relação à consultoria responsável pelo plano de reestruturação da companhia.
“Não deve haver limite de transparência no que se refere à atividade da empresa”, afirmou Astrauskas, que é sócio da Siegen, consultoria especializada em recuperação de empresas em crise e sucessão familiar.
O consultor afirmou também que, para se manter a clareza, é necessário que as negociações sejam do conhecimento de todos os envolvidos. Os condutores só podem passar a fazê-las individualmente no momento em que todos os stakeholders tiverem um panorama igual sobre a crise. “Nossa experiência mostra que desta forma você consegue uma participação maior. Quando você mostra que a empresa está realmente em crise e que não vai sair dessa situação negociando individualmente, aí é que você consegue fazer com que as pessoas fiquem dispostas a colaborar”, disse Astrauskas.
No entanto, o especialista explicou que não deve ser mostrado apenas o problema, mas também devem ser apresentadas alternativas para solucioná-lo. Os ruídos na comunicação e rumores incertos também podem por em risco essa negociação com os envolvidos. É necessário apresentar um plano de ação e colocar patamares de negociação que estabeleçam balizadores de possibilidade de negociação, de acordo com a característica que cada um assumir.
“Se você não fixa condições e não mostra o projeto, torna-se muito difícil levar essa situação sem ter conflitos muito grandes ao longo de todo o processo, pois cria-se uma insegurança muito maior. Quando se estabelece as regras logo no início, a empresa se posiciona e a chance de conflito é menor”, avaliou Astrauskas.
Além da transparência e do envolvimento dos stakeholders, um dos fatores que auxiliam nesse processo é a recuperação judicial, pois ela garante que a empresa estará protegida, durante algum tempo, dos principais motivos de pressão, que são as ações, os pedidos de falência, entre outros.

Na prática

A nova Lei de Falências, que entrou em vigor em julho de 2005, começa a ser entendida pelos vários grupos de pessoas envolvidas na rotina de uma empresa, e, com isso, esses envolvidos deixam de brigar judicialmente e passam a perceber que conversar entre si e formar uma opinião é a melhor saída para a reestruturação. “Num primeiro momento, essas entidades estavam muito dispersas, mas agora passam a perceber que devem se unir. Bancos e auditorias têm auxiliado nesse processo. Os credores estão se juntando e negociando de uma maneira melhor para todos. Esse é o espírito da nova Lei”, concluiu Astrauskas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email