Toffoli rejeita denúncia contra Azeredo por mensalão mineiro

Tucano seria investigado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) José Antonio Dias Toffoli votou na quinta-feira pelo arquivamento da denúncia contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) por suposto envolvimento com o mensalão mineiro -esquema de arrecadação ilegal de recursos durante a campanha a governador de 1998.
Toffoli votou contra o relator do caso, ministro Joaquim Barbosa, que defendeu que o tucano seja investigado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Azeredo foi denunciado pela Procuradoria Geral da República.
O ministro pediu vista do processo no dia 4 de novembro, após a leitura do voto do relator. Nove ministros ainda precisam apresentar seus votos. Azeredo só se torna réu se pelo menos cinco ministros acompanharem Barbosa.
Para o ministro, não há nada que mostre o envolvimento do senador no caso. “Não vi nenhum ato praticado por Azeredo”, disse.
Toffoli colocou em dúvida provas que foram apresentadas pelo Ministério Público, como um recibo de R$ 4,5 milhões assinado por Azeredo e que comprovaria o esquema ilegal, além de uma lista assinada pelo ex-tesoureiro do senador Cláudio Mourão, e entregue à Polícia Federal e à imprensa pelo lobista Nilton Monteiro, que também havia trabalhado na campanha de Eduardo Azeredo.
Para o ministro, o documento, apesar de ter recebido laudo de autenticidade do Instituto Nacional de Criminalística da PF, em Brasília, e revelado que a arrecadação da campanha de Azeredo teria atingido R$ 100 milhões em 1998, é cercado de dúvidas.
O ministro José Toffoli disse que a situação poderia ter sido criada por Mourão para pressionar Azeredo.
A retomada do julgamento foi marcada por troca de farpas entre o relator do caso e Toffoli. Barbosa se mostrou irritado com as considerações lançadas por Toffoli sobre o processo e chegou a falar que o mais novo ministro do STF tem feito “comparações impertinentes” e que “parecia não ter lido os autos”.
Toffoli vem sinalizando que vai votar pelo arquivamento da denúncia. Em um determinado momento, quando lia o voto, Barbosa soltou: Eita!
Toffoli colocou em dúvida provas que foram apresentadas pelo Ministério Público, como um recibo de R$ 4,5 milhões assinado por Azeredo e que comprovaria o esquema ilegal, além de uma lista assinada pelo ex-tesoureiro do senador Cláudio Mourão.
O documento assinado por Mourão foi entregue à Polícia Federal e à imprensa pelo lobista Nilton Monteiro, que também havia trabalhado na campanha de Azeredo. O papel, cuja autenticidade foi atestada por peritos do Instituto Nacional de Criminalística da PF, em Brasília, diz que Azeredo recebeu R$ 4,5 milhões para “compromissos diversos (questões pessoais)” e também revela que a arrecadação da campanha teria atingido R$ 100 milhões.
“Nessa lista, Claudio Mourão já cita Azeredo como ex-governador. A lista foi feita quando Azeredo era senador e não mais governador. Nem se somadas as principais campanhas presidenciais daquele ano alcançaríamos os R$ 100 milhões. Essa soma de dinheiro não se enquadra nas realidade do país daquela época. Essa lista é produto para outras finalidades. É isso que eu deduzo. O ex-tesoureiro Claudio Mourão procurava obter mais vantagem”, disse.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email