9 de maio de 2021

Recentemente, fomos surpreendidos com as notícias de megavazamentos de dados pessoais em nosso país. Devido ao grande volume de informações pessoais divulgadas em ambos os vazamentos, e face ao grande número de indivíduos atingidos, já imaginamos que diante disso, teremos um aumento considerável dos índices de fraudes eletrônicas e todo o tipo de golpe.

Portanto, estejam atentos! Todo o cuidado é pouco! Principalmente após grandes incidentes como estes.

Tendo em vista que tais incidentes nos mostram o quão somos vulneráveis na era digital, é comum ter inúmeras dúvidas sobre o assunto. 

Uma vez os dados de interesse estando acessíveis, o problema central que se impõe é como lidar com a complexidade, diversidade e o gigantesco volume de circulação das informações ali contidas e contingenciar ameaças de todo tipo, seja coibir práticas delituosas (fraudes) ou por meio da mineração de dados, prospecção de dados, que propicia um verdadeiro fenômeno na coleta de dados para empresas capazes de melhorar suas vendas e lucratividade a partir do comportamento online ou perfil, para fazer previsões de compra dos clientes em potencial, e, por fim, atingirem seu público-alvo em tempo real.

Erros precisam ser detalhados para que se encontre sua fonte permitindo as correções necessárias e resposta à gravidade dos danos sofridos.

Há diversas maneiras de empresas, órgãos públicos e pessoas terem acesso às nossas informações pessoais, seja por um cadastramento voluntário do titular do dado ou de forma involuntária.

Uma vez que os dados já foram divulgados, não há muito o que possa ser feito para reverter a situação. Em alguns casos, onde é possível encontrar informação específica na internet publicada por determinados sites, uma alternativa eventualmente possível será o contato com cada site solicitando a retirada do conteúdo, mas na maioria dos casos, o vazamento de dados é irreversível.

Ninguém sabe ao certo o que vai acontecer daqui em diante, visto que o evento é recente e os órgãos fiscalizadores ainda estão investigando os responsáveis pelo megavazamento. Por ora, o que nos resta a fazer é tomar os principais cuidados: acompanhar extratos bancários e de cartão de crédito e suspeitar se acontecer alguma consulta atípica utilizando o número de seu CPF.

É essencial que a promoção à conscientização das instituições, empresas e pessoas físicas sejam concretizadas, diante de tantos vazamentos que ocorreram em menos de um mês.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email