TikTok testa compras no app

TikTok, aplicativo da ByteDance, está trabalhando com marcas para testar as vendas no aplicativo na Europa, um movimento que intensificará sua competição com o Facebook e tornará ainda mais confusa a linha entre a mídia social e as compras online.

O popular aplicativo de vídeo espera replicar no exterior o sucesso de seu primo chinês Douyin, que acumulou US$ 26 bilhões em transações de comércio eletrônico apenas em seu primeiro ano de operação. O TikTok começou a trabalhar com comerciantes de mercados como o Reino Unido para vender produtos diretamente aos milhões de usuários do aplicativo, dizem pessoas familiarizadas com o assunto.

Embora o TikTok tenha executado campanhas promocionais de compras no passado, os testes atuais são um precursor para um lançamento mais amplo de um serviço global de comércio eletrônico. O protótipo até agora só está visível para participantes selecionados e permanece desconhecido quando a empresa dará início ao lançamento formal.

Um representante do Hype, marca de streetwear, confirmou o teste sem comentar mais. A vitrine da marca sob sua conta TikTok exibe uma variedade de mercadorias com imagens e preços de produtos, de acordo com uma captura de tela fornecida à Bloomberg News.

Em comunicado, o TikTok disse que tem testado e aprendido com ofertas e parcerias de comércio eletrônico e estamos constantemente explorando novas maneiras de agregar valor. “Forneceremos atualizações à medida que exploramos esses caminhos importantes para nossa comunidade de usuários, criadores e marcas.”

A caminho do IPO

A ByteDance está se movendo agressivamente para uma arena de e-commerce chinês de US$ 1,7 trilhão na esperança de adicionar outra história de megacrescimento ao seu estábulo antes de um IPO muito antecipada.

Seu objetivo é administrar mais de US$ 185 bilhões em comércio eletrônico anualmente até 2022, aproveitando o alcance dos prodígios da mídia social TikTok e Douyin. Ao contrário dos rivais chineses Alibaba Group ou Tencent, os aplicativos da ByteDance também contam com uma ampla base de fãs global e o cofundador Zhang Yiming quer usar isso como um trampolim para o jogo do comércio online.

Entrada tardia no varejo online

A gigante da internet continua entrando tardiamente no cenário de comércio social da China, onde influenciadores promovem produtos para os fãs, como uma versão Gen-Z da Home Shopping Network. Ele está contando com suas recomendações baseadas em interesses e orientadas por inteligência artificial para ajudar seu negócio de e-commerce a se recuperar.

A mudança ocorre em um momento em que titãs da mídia social em todo o mundo estão lutando para abocanhar sua fatia do varejo online, um segmento que vai gerar US$ 5 trilhões em vendas este ano, de acordo com as projeções da eMarketer. Em maio passado, o Facebook introduziu novas ferramentas para melhorar a experiência de compra em sua plataforma, bem como o aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram. O Pinterest também entrou no comércio eletrônico ao canalizar os compradores para os sites dos comerciantes.

O TikTok, por sua vez, já havia começado a testar as águas nas compras online por meio de parcerias promocionais com a WalMart e a empresa canadense de comércio eletrônico Shopify. As empresas normalmente marcam seus produtos no conteúdo social da TikTok, com links direcionando os compradores aos seus próprios sites, mas os usuários ainda permanecem tecnicamente no aplicativo TikTok. O Facebook e o Instagram permitem que os comerciantes configurem suas vitrines no aplicativo ou canalizem os usuários para serviços de terceiros.

Agora, o TikTok visa bloquear os usuários em seu ecossistema em um grau maior. Marcas como Hype administrarão lojas dedicadas na plataforma de vídeo, recebendo pedidos e interagindo diretamente com os compradores. Embora a empresa chinesa não cuide das vendas ou da mercadoria sozinha, ela espera vender mais anúncios aos comerciantes, aumentar o tráfego e cortar os negócios.

Em dezembro, Zhang disse aos funcionários globais que o e-commerce, quando combinado com streaming ao vivo e vídeos curtos, oferece uma oportunidade ainda maior fora da China, de acordo com os participantes que pediram para não serem identificados.

A empresa também vem construindo discretamente uma equipe de engenheiros em Cingapura para aumentar as operações nascentes de comércio eletrônico da TikTok.

Não está claro como o TikTok pretende proceder, mas seu irmão gêmeo chinês oferece pistas. Em uma festa de debutante da empresa de um ano de Douyin no mês passado, os executivos explicaram que a empresa pretende replicar seu sucesso com vídeos recomendados por IA nas compras online. Ao percorrer um fluxo interminável de conteúdo vinculado a produtos físicos, a startup visa atrair os compradores da mesma forma que os vídeos dublados encantaram uma geração de adolescentes americanos e europeus.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email