A inveja no dicionário, dentre algumas definições tem relação ao desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia, o mecanismo principal da inveja é o ódio e a raiva. Pois bem, de onde surgiu o tema para o artigo de hoje?

Estava ontem eu na rotina que amo, período de provas do Felipe para acompanhar, projetos novos acontecendo, treinamentos em 2 turnos e com eles muitos aprendizados e troca de experiências, reunião oficial do Plano de Voo – Alavancagem de Carreira com toda a tripulação motivadíssima para impactarmos a vida de pessoas, em Manaus e Fortaleza, que serão nossos próximos embarques para contribuir com o crescimento profissional de centenas de pessoas, e em meio a isto, uma pergunta despretensiosa surgiu. Ao certo não sei de onde, e não lembro ao certo para quem: Você não tem medo da inveja?

Dentre várias discussões, opiniões, eu também tomei a liberdade de opinar e nem percebi que estava quase falando como em um treinamento. Talvez o hábito de transformar informação em conteúdo pelos anos atuando como treinadora. Quando eu terminei de falar, uma das pessoas pediu para eu escrever sobre esse tema e sobre a maneira como apresentei a questão. Eis-me aqui tentando lembrar as palavras e relações, na expectativa de ajudar neste artigo sua reflexão sobre um tema provocativo e ao mesmo tempo que circula na vida ou na mente de muitas pessoas.

Quando penso em alguém com inveja, considero que no fundo existe uma dor de querer ser ou fazer o que você é ou faz, por isto, eu não me preocupo se estou ou não causando inveja nas pessoas. Não deixo de ser o que sou, com meus valores, meus princípios, minhas ações e meus comportamentos, simplesmente porque alguém pode julgar, criticar, rotular. Também não paraliso minhas iniciativas, minhas vontades em ação, por receio de que alguém interprete erroneamente o equilíbrio em todas as áreas de vida, ou que condene as escolhas que faço, muito menos que aponte o dedo diante das imperfeições. Em minhas crenças, feito é melhor que perfeito e sigo aprendendo e melhorando com o que sou e o que faço. Esta é uma primeira reflexão:

Não deixe de ser o melhor que você pode ser, por medo, receio ou insegurança que a dor do outro critique quem você está se tornando, ao decidir viver a sua versão do hoje. Quando entendemos que as pessoas que sentem inveja estão no fundo em sofrimento, inclusive de reconhecer que são únicas, que possuem tantos talentos e que não deveriam se comparar nem com você e nem com ninguém mais, nos conforta e nos faz entender que não é sobre você, é sobre ela.

Escrevo isso para continuar motivando você a continuar buscando o seu crescimento, aprendizados, que você continue entusiasmado com a possibilidade de entender mais de suas potencialidades, paixões e possa encontrar ainda mais a sua luz e fazê-la brilhar, sem medo ou receio de aparecer, de ser visto, notado, percebido. Digo dessa forma, porque muitas pessoas, com medo de serem invejadas, se escondem, se reprimem, se enchem de insegurança e medo, e não despertam o máximo do potencial. Lembre-se: nunca é sobre o quanto você pode brilhar, é sempre sobre o quanto elas não encontraram a sua própria luz.

Outra perspectiva, pode ser o que você tem invejado sobre o que são, o que fazem ou que tem as outras pessoas. Uma lupa que podemos usar, para além destes aspectos que considerei de você não precisar querer ser ninguém mais do que ser você mesmo, pois já são extraordinários os recursos internos que você tem e muitas vezes ainda nem percebeu.

Um outro ponto também é entender, que muitas vezes a inveja é da “fotografia”, ou seja, é da situação atual da pessoa, mas você já pensou que para a pessoa conseguir fazer e ter o que ela faz e tem, existiu um caminho? Existe um percurso? Existe uma estrada? Exatamente! Muitas pessoas têm inveja de você, mas não estão dispostas a pagarem o preço que você pagou. Se você faz o que faz e tem o que tem, envolveu horas de dedicação, tempo de esforço, empenho, renúncias e tantos outros sacrifícios que muitos não estão dispostos ou disponíveis para fazer. Nesta hora a sua empatia também aumenta ao entender que não é sobre o que você conseguiu, mas é sobre o que elas ainda sofrem por não conseguirem. Pela ausência de coragem, pela falta de ousadia, pela dificuldade de fazer acontecer, pela história que ainda precisam viver. De certo, não deixe de conquistar algo porque alguém pode invejar você, continue conquistando para inspirar tantas outras pessoas que sentem, na sua força, a vontade de vencer o medo e avançar.

Também é importante alertar o nosso próprio coração para esse ponto: não inveje nada que alguém tenha, não somente pela questão do esforço que ela fez, porque nem este você sabe se foi certo, correto e íntegro. Eu e você sabemos que hoje muitas pessoas possuem o que possuem, mas isto é apenas um pedaço da história, e se o que ela tem for fruto de desonestidade, ausência de moral, atalhos obscuros? Quero dizer que hoje ela tem, mas logo irá colher um fruto amargo desta semente. Este é um outro conforto para não ter medo da inveja e nem inveja, mas simplesmente um convite para sermos e fazermos o que devemos e podemos fazer, para que não sejam períodos de ter prazeres imediatos, mas uma vida da qual vale a pena ser vivida.

Esse artigo talvez o tenha levado a procurar se aceitar, entendendo que você tem dificuldades, limitações e não é perfeito. Foque mais em si mesmo e menos na comparação com os outros. Até porque, se você quer se desenvolver e evoluir, as chances de chegar aonde almeja são muito maiores quando você está focado, e o seu foco e determinação podem trazer a mostra as pessoas que invejarão você, e muitos dos sinais de inveja podem ser percebidos, como pessoas que estejam o tempo inteiro competindo com você e querem sempre estar à frente, ou podem ser pessoas que nunca fazem elogios para os seus feitos ou fazem até exageradamente, demonstram prazer em criticar e apontar os seu erros, subestimam suas conquistas e exaltam as deles, de modo geral, não demonstram genuína felicidade com o seu sucesso.

Fica um alerta: a pessoa invejosa é quem precisa resolver as suas questões e não você. Se em algum momento você já sentiu culpa ou pensou em mudar quem é por conta do invejoso, liberte-se e busque outras maneiras de amenizar a situação. Um comportamento muito comum de quem sofre com os invejosos é começar a repensar as suas atitudes para amenizar a inveja alheia. Com certeza isso não irá solucionar os problemas e ainda trará muitas frustrações.

Podemos lembrar também de ser gentil e prestativo diante de possíveis fofocas e comentários maldosos que possam surgir dos indivíduos que têm inveja do que você faz e do profissional que você é. Muitas vezes, a cordialidade e amorosidade quebra vícios emocionais que as pessoas têm.

E se mesmo depois de colocar em prática sua empatia e cordialidade, e às vezes até de se colocar à disposição para ajudá-lo em seu processo de mudanças e melhoria contínua, a pessoa invejosa ainda permanecer do mesmo jeito, acredito que seja importante você se afastar um pouco, até mesmo para se autopreservar. Nenhum de nós precisa parar com receio dos invejosos, mas nenhum de nós é também obrigado a conviver. Vamos seguir!

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email