29 de junho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Telegram assina novo acordo com TSE e se compromete a combater fake news

Aplicativo de mensagens Telegram

Nesta terça (17), o Telegram assinou um novo acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em que se compromete a reforçar medidas contra a disseminação de fake news. O acordo determina a criação de um canal de denúncias, o desenvolvimento de meios para divulgação de informações oficiais sobre as eleições e a marcação explícita de conteúdos considerados desinformativos no app.

Com isso, o TSE terá um canal verificado na plataforma digital, voltado para tirar dúvidas e divulgar informações verificadas sobre o processo eleitoral — assim como acontece no WhatsApp e em outras plataformas. Como parte do combinado, o Telegram oferecerá “suporte técnico” para a criação da assistente virtual “tira-dúvidas”.

“O TSE é o primeiro organismo eleitoral do mundo a assinar um acordo dessa natureza com a plataforma, que prevê uma série de ações concretas e específicas”, afirmou o tribunal. O acordo durará até 31 de dezembro deste ano.

Aplicativo de mensagens Telegram

Além desse contato oficial, o pacto também determina a implementação de uma funcionalidade capaz de marcar conteúdos potencialmente desinformativos. Não se sabe exatamente como o recurso funcionará, mas possivelmente será semelhante ao que existe no WhatsApp — lá, notícias divulgadas em massa são acompanhadas por uma lupa, cujo toque leva o usuário para uma pesquisa relacionada ao assunto no Google.

Em complemento, será criado um canal extrajudicial ao TSE para recebimento de denúncias dentro do Telegram. O contato terá como finalidade levar notícias potencialmente enganosas para investigação do próprio Telegram, que verificará se os canais mencionados violaram políticas internas.

Relação Telegram e TSE

Este não é o primeiro acordo que o Telegram assume com autoridades brasileiras. Em março, a plataforma aderiu ao Programa de Enfrentamento à Desinformação do TSE.

O desenvolvimento dessa relação de colaboração, porém, não aconteceu sem obstáculos. Também em março, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o bloqueio do Telegram no país. A ação foi motivada pelos meses de tentativas de contato ignoradas pelo mensageiro.

Porém, pouco tempo depois a empresa se manifestou e se mostrou atenta às demandas de autoridades brasileiras. No dia seguinte, a companhia divulgou sete medidas voltadas ao combate à desinformação no Brasil alinhadas com as exigências nacionais, incluindo moderação de conteúdo em canais populares e a nomeação de um representante oficial, o Alan Campos Elias Thomaz.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email