Técnicas da biotecnologia devem contribuir na propagação do pequizeiro

Uma das espécies mais conhecidas do Cerrado, o pequi poderá ser propagado in vitro, utilizando técnicas avançadas da biotecnologia. Essa é a proposta de um trabalho de pesquisa que começa a ser desenvolvido na Embrapa Cerrados, unidade da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) que fica em Planaltina (DF). A ideia é fazer a propagação da árvore em laboratório, o que deve baratear as mudas das árvores, além facilitar a domesticação da planta e a seleção de mudas com características mais importantes para ampliar a produção comercial do fruto, que é rico em vitamina A e é muito apreciado pela culinária regional de diversos estados.
Normalmente a reprodução do pequi ocorre por sementes, que no caso específico da árvore, têm germinação extremamente baixa. Para contornar essas dificuldades, foram tentadas, sem muito sucesso, técnicas de enxertia e estaquia para a propagação da planta. Por isso, o desenvolvimento de novas alternativas pode ser relevante para a conservação da espécie, que pode correr riscos a longo prazo. “O pequizeiro ocorre principalmente nas áreas mais planas e altas, onde preferencialmente se instalam as lavouras, e o pequi acaba perdendo cada vez mais espaço”, explicou o pesquisador responsável pelo projeto, Sebastião Pedro da Silva Neto.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email