4 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Tantas barbáries mostram o quanto a sociedade está doente

Tendo como protagonistas até policiais, tantas atrocidades causam ainda mais indignação junto à população. Já são quase 200 pessoas mortas só nesses primeiros cinco meses do ano nas operações no Rio de Janeiro, que vasculham as favelas cariocas em busca de líderes de facções.

Nada contra essas investidas de combate ao crime. O problema é que muitos inocentes também são vítimas. Vez por outra, alguém é atingido por uma bala perdida. Porém, o que se viu com uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe é de uma tamanha barbárie sem similaridade.

Três policiais pararam um homem que conduzia uma moto. Vasculharam-no. Ele sequer esboçava qualquer resistência, como se vê no vídeo que viralizou em todo o Brasil. Tinha problemas mentais, segundo a esposa.

Não satisfeitos, os agentes algemaram-no, colocando-o no porta-malas da viatura, onde soltaram gás, sufocando a vítima. Não deu outra. Quando deram por si, o homem já estava morto. Mesmo assim, o levaram para o hospital, onde a equipe médica constatou a morte antes mesmo do socorro. 

Algo que lembra a brutalidade do negro morto por um policial nos Estados Unidos após imobilizá-lo com o joelho, pressionando o seu pescoço e matando-o em seguida.  E não adiantaram as intervenções de populares que assistiam à cena, alertando sobre a iminente morte da vítima.

São atrocidades recorrentes da população americana que, culturalmente, convive com uma violência sem tamanho. Andar armado é uma prerrogativa consolidada na Constituição. Tal qual como lá e aqui, essas ações demonstram o quanto a sociedade mundial está doente, com policiais extremamente despreparados para exercer a função de proteger. Ao contrário, não hesitam em matar sumariamente.

A morte está banalizada. E também instituída. O Estado mata tanto quanto as facções criminosas. São milhares de pessoas assassinadas anualmente. No Brasil, as causas apontadas são a desigualdade social acirrada, a baixa expectativa de vida, a falta de empregos, o que fomenta cooptar novos soldados (principalmente jovens, desesperançados) pelas organizações criminosas.

Nos EUA, o preconceito racial é motivador de muitas barbáries. País rico, a riqueza não é tão preponderante para fomentar o crime. São raízes culturais. A supremacia branca sempre se manifesta atrozmente, vitimando afro-americanos e ainda latinos. 

Até o próprio presidente Joe Biden fez um pronunciamento, eivado de muita comoção, sobre o atentado a uma escola infantil numa pequena cidade do Texas, que deixou duas professoras e 19 alunos mortos. O autor – um jovem de apenas 18 anos, que estaria sofrendo bullying, decidiu atacar quem via como desafetos. E acabou morto pela polícia. 

Diferente do seu antecessor e caubói Donald Trump, Biden fez um apelo para mais rigor na concessão de armas. No entanto, os lobbies do setor são tão poderosos que minam qualquer articulação que ameace a sua produção e seus lucros de trilhões ou quatrilhões de dólares.

Enfim, somos forçados a admitir que a humanidade está enferma, negligenciando valores familiares, religiosos e morais, baseados na ética e nos bons costumes. E na crença em Deus.  Para nossa sociedade ocidental, Jesus Cristo foi o maior exemplificador de amor. Pena que nem todos internalizaram essa exemplificação.

Com raras exceções, ninguém mais se penaliza com o outro. Estamos destruindo o ambiente em que vivemos, cavando a nossa própria sepultura. Quanto mais evolui a humanidade, mais cruel fica o homem, infelizmente.

O ideal de justiça, mais igualdade, com as mesmas oportunidades para todos os estratos sociais, está longe de ser alcançado. Hoje, a escravidão se configura no poder econômico, político e na exploração em todos os sentidos, que massacram os menos afortunados na vida. Lamentável.

Perfil

Bolsonaro vem fazer palanque, ataca Ramos

Detonado da vice-presidência da Câmara por pressão de Bolsonaro, o deputado federal Marcelo Ramos (PSD-AM) ironizou a vinda do presidente a Manaus, onde ele participará, neste sábado (28), do culto de encerramento da Marcha para Jesus, que acontecerá no Sambódromo. O evento religioso será, inclusive, transmitido ao vivo pela EBC e redes sociais do governo federal. Ramos não esconde o ressentimento por ter sido fritado do cargo, dando lugar a uma liderança evangélica, ligada umbilicalmente ao chefe da nação.

O deputado sempre foi uma pedra no sapato das medidas governamentais. E turbinou sua atuação nacional nas mobilizações contra os decretos presidenciais que suspenderam a isenção do IPI na ZFM. Para o parlamentar, o chefe da nação se aproveita das festividades para fazer palanque político no Amazonas às vésperas das próximas eleições. “Eu queria que ele (presidente) viesse para inaugurar alguma coisa. Mas vem para participar de uma festa que é financiada pelo dinheiro público”, contra-atacou o político ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Manaus. Os dois protagonizaram vários embates, culminando com o afastamento de Ramos da função. Se a bancada baixar a guarda, vem mais chumbo grosso contra a Zona Franca.

Desculpa

Bolsonaro surpreendeu ao declarar à imprensa que mal conhece o deputado federal Daniel Silveira, que tem confrontado o ministro do STF Alexandre de Moraes. E até colocou em dúvida o fato de os jornalistas o chamarem de bolsonarista. Se o próprio presidente concedeu indulto ao parlamentar, acirrando a crise com o Supremo, como então persuadir a população com esse argumento? Negar é contabilizar mais desgaste na imagem de quem pretende ser reeleito para os próximos quatro anos.

Insistente

O senador Plínio Valério (PSDB-AM) ainda não se deu por vencido. Ele anunciou que continuará na briga para disputar o governo do Estado pelo partido nas próximas eleições. Porém, a sigla formou federação escolhendo Amazonino Mendes como pré-candidato ao cargo. Valério já trombou com Arthur Neto, virtual candidato ao Senado, que preferiu optar pelo ex-governador. Agora, as expectativas são de mais tretas que sacudirão os bastidores do ninho tucano. Até João Doria foi rifado. E se disse traído.

Faltosos

A ausência de deputados nas sessões para votação de projetos ainda suscita muitas críticas na Assembleia. Na quarta-feira (25), Sinésio Campos (PT) deixou o plenário manifestando indignação com a apreciação de matérias cujos autores estavam ausentes. E classificou a iniciativa como um desrespeito, com a complacência da presidência. A reação foi imediata. O presidente Roberto Cidade (UB) retrucou. “Deputado, não tenho como saber se todos estão presentes”, alfinetou. Não convence.

Painel

Na Câmara Municipal, a situação também é recorrente. Nem sempre o que marca o painel eletrônico condiz com o número de vereadores presentes no plenário. Há parlamentares que saem até mesmo antes de uma hora. Parece que o legislativo funciona só como um bico para muitos políticos, que só usam a retórica para permanecer no cargo, sem proporcionar nada em matérias de interesse da população.

IPI

A bancada amazonense se debruça em novas estratégias em outra ofensiva contra o recurso do governo federal que tenta manter os decretos presidenciais suspendendo a isenção do IPI para a ZFM. A AGU move um recurso no STF contestando a liminar do ministro Alexandre de Moraes favorável ao Amazonas. Bolsonaro argumenta que a Zona Franca não pode ser um paraíso fiscal permanente em detrimento de outros Estados. Ele se esquece que a floresta só está em pé por causa desses benefícios.

Susto

Um terremoto de magnitude 7.2 que atingiu o sudeste do Peru foi sentido ontem em Manaus, causando muito pânico. O prédio do Tribunal de Justiça do Amazonas chegou a ser evacuado como medida preventiva. Não é a primeira vez que situações como essa acontecem. Em geral, quando a terra treme no país vizinho, sempre o fenômeno se reflete na região. O reflexo também é ocorre na tríplice fronteira – Benjamin Constant, Tabatinga, Petrópolis e Letícia. Lá, a população já está acostumada.

ICMS

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, rebateu as críticas de governadores ao projeto aprovado pela Câmara que limita a cobrança do ICMS para energia e combustíveis. São despreparados, ignorantes, ingratos, militantes ou estão fazendo política”, disse em Davos, onde ele participa do Fórum Econômico Mundial. O imposto representa uma das principais fontes de arrecadação tributária para os Estados, que sentem os impactos da crise econômica. O superministro está ferrando com a ZFM.

Saúde

A ANS anunciou, ontem, um reajuste recorde de 15,5% para os planos de saúde individuais e familiares, bem acima da inflação em 12 meses, que ficou em 12,13%. O maior aumento até então tinha sido aplicado em 2016, de 13,57%. O índice foi divulgado durante reunião extraordinária. Teve um único voto contrário. E é válido para o período entre 1º maio de 2022 e abril de 2023, para aplicação no aniversário do contrato. É a primeira vez que o percentual tem vigência no mês de sua incidência.

FRASES

“Consumidor tende a prestigiar produção regional”.

Roberto Cidade (UB), presidente da Assembleia, sobre o ‘Selo Produto Amazonense’.

“É hora de parar de se distrair com conversa fiada”.

Soraya Thronicke (UB-MS), senadora, ao criticar proposta sobre aumento do mínimo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email