Stephanes avalia visita ao México

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, disse ontem, em coletiva à imprensa, que até o fim do ano mais três plantas de lácteos devem passar a exportar para o México.
Na entrevista, Stephanes comentou os resultados da missão realizada pelo Mapa àquele país, entre os dias 30 de julho e 6 de agosto. De acordo com o ministro, a iniciativa foi bem-sucedida em retomar discussões sanitárias com o México, paralisadas há dois anos.
“Devemos trabalhar mais próximos aos mexicanos nas questões sanitárias, de pesquisa e de agroenergia”, comentou o ministro. Além de um acordo assinado entre Stephanes e Alberto Cárdenas, ministro da Agricultura do México, os serviços sanitários dos dois países acordaram em criar um grupo de trabalho, com a primeira reunião prevista para novembro deste ano.
Além disso, deve haver visita de técnicos mexicanos para conhecer indústrias de lácteos e o sistema de defesa brasileiro. Apenas duas fábricas de laticínios exportam atualmente para o México. “A visita significa que o Brasil está mais perto do mercado do Nafta”, afirmou Inácio Kroetz, secretário de Defesa Agropecuária do Mapa. “Isso demonstra que estamos no caminho certo para conquistar mercados exigentes”.
Em relação ao foco de aftosa diagnosticado recentemente no Reino Unido, Stephanes afirmou que o incidente não deve alterar o cenário das exportações brasileiras. “Somos um grande exportador e continuaremos crescendo independente disso”, afirmou o ministro.

Material genético

De acordo com Kroetz, o Brasil não importa animais vivos e material genético do Reino Unido desde 1990, quando foram descobertos casos de vaca louca na Inglaterra, e por isso não há risco de contaminação.
“Essa foi uma questão isolada e o governo do Reino Unido já está tomando as medidas previstas pela OIE (Organização Mundial de Saúde Aninal) nesses casos”, comentou o secretário.
O secretário de Defesa afirmou ainda que um novo relatório técnico sobre a situação da aftosa no Mato Grosso do Sul deve ser levado ao Comitê Técnico e Científico da OIE ainda em setembro deste ano.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email