8 de março de 2021

Social vira foco estratético nas organizações

https://www.jcam.com.br/econo_cad1_2708.jpg
Em Manaus, os empresários interessados em desenvolver projetos do tipo, podem contar com o Núcleo Sesi de Responsabilidade Social Empresarial, que trabalha com programas de projetos sociais e desenvolve consultoria junto às organizações

O aumento de cerca de 40% na participação de empresas no PQST (Prêmio Sesi Qualidade no Trabalho) de 2007, cuja etapa estadual foi encerrada na última quinta-feira, mostra que a responsabilidade social tem se tornado parte de planos estratégicos da indústria local, desde as microempresas até as de grande porte. Em Manaus, os empresários interessados em desenvolver projetos do tipo, podem contar com o Núcleo Sesi de Responsabilidade Social Empresarial, que trabalha com programas de projetos sociais e desenvolve consultoria junto às organizações.
Segundo a coordenadora do núcleo, Simônica Sidrim, as empresas que não sabem como conduzir iniciativas de responsabilidade social podem ter o Sesi (Serviço Social da Indústria) como parceiro, orientando o estudo das ações a serem tomadas. “Temos quatro produtos de consultoria a disposição do empresariado, que são a gestão da responsabilidade social empresarial, o investimento social privado, o voluntariado empresarial e o balanço social”, disse. A gestão de responsabilidade social empresarial, de acordo com Simônica, trata do relacionamento da organização com as suas partes interessadas, ou seja, clientes, fornecedores, colaboradores e comunidade, com quem tem que manter relação ética e transparente.
Outro serviço de consultoria do núcleo, o balanço social, ou relatório de sustentabilidade, é uma importante ferramenta de gestão e comunicação transparente com a sociedade em geral sobre sua performance em ações sustentáveis.
“No Amazonas, as empresas que estão em estágio evoluído na questão de responsabilidade social ainda são minoria. Por isso, esperamos com o núcleo contribuir para criar uma cultura nesse sentido, para que as organizações incorporem às suas políticas as estratégias corporativas, através da consultoria e assessoria em gestão de responsabilidade”, comentou a coordenadora do núcleo.
Os empresários que procurarem o núcleo receberão visitas em suas organizações, quando serão avaliadas, segundo Simônica, as necessidades da corporação para sua posterior orientação.

Em Manaus, indústria dá primeiros passos

Segundo o presidente da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), José Nasser, o parque industrial está começando a atuar de forma mais ampla em relação à responsabilidade social. “Prova disso foi a maior participação das empresas que aderiram ao prêmio este ano”, afirmou. No PSQT 2007, participaram 19 empresas representando um universo de aproximadamente 14 mil trabalhadores. Em 2006, foram 12 participantes.
Nasser ressaltou que o investimento em pessoas, políticas de saúde, segurança e meio ambiente, compõem a visão atual que circunda o mercado, contribuindo para ampliar o aprendizado e o desenvolvimento dos recursos humanos.

Panorama nacional

No Brasil, este ano foram apresentadas 2.430 inscrições nas etapas estaduais do PSQT, um incremento de 20% ante o exercício anterior. Juntas, as empresas inscritas representam meio milhão de trabalhadores de todo o país.
Para o diretor residente da Nokia do Brasil, em Manaus, Mauro Correa, o investimento social tem reflexo direto na qualidade dos produtos e serviços da empresa. “Nossa liderança de mercado está relacionada a satisfação dos colaboradores com o trabalho. Por isso, nosso compromisso com eles é grande”, afirmou. A Nokia do Brasil recebeu o troféu PSQT estadual pela terceira vez na categoria grande empresa, sendo a última em 2005. “Seremos um grande concorrente na etapa nacional, e estamos trabalhando para trazer esse prêmio para Manaus”, completou.

Mudança de hábito

Esse ano, a terceira participação seguida das microempresas no prêmio aponta para uma mudança de visão de negócios também nas organizações menores. Para o diretor da Gráfica Estrela, Otacílio Melo, a dificuldade das micro pra fazer investimentos em responsabilidade social é uma questão de visão estratégica, não financeira. Segundo ele, a relação entre o benefício e o custo, nesse ponto, é

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email