Só Poços deixa segmento de materiais de construção

A Só Poços S.A., referência no segmento de recursos hídricos e saneamento, deixará de atuar a partir desta sexta-feira no setor varejista de materiais de construção, abrindo mão da Construcenter, sua única loja, cujo aumento nas vendas foi 20% maior até setembro desse ano, ante o mesmo período de 2006. Com a transação, a projeção é ampliar a rentabilidade da organização em 15% em 2008.
A empresa vendeu parte do estoque de materiais de construção para o grupo JLN há dois meses e alugou sua sede do Japiim, com o intuito de concentrar seu foco apenas no setor de serviços, cuja demanda está em processo de expansão. De acordo com o diretor de marketing da empresa, Daniel Serruya, a Só Poços está ampliando a gama de serviços disponibilizados aos seus clientes.
“Apesar de perdermos em faturamento total, estamos vislumbrando expectativa de negócios grandes. Como não podemos trabalhar em várias áreas diferentes ao mesmo tempo, vamos focar em serviços com água, em todos os ciclos, como captação [poços], distribuição [redes e reservatórios], tratamento e esgotamento sanitário”, afirmou Serruya.
O executivo comentou que foi acordada ainda a intenção de absorção, por parte da JLN, da maioria dos funcionários de estoque e venda ligada à atividade de varejo. “Como esta era uma preocupação fundamental para nós, procuramos fechar o negócio com uma empresa de grande porte, tradicional no mercado, e que se encontra em fase de expansão em seu segmento”, disse.
Segundo o diretor, a procura pelos serviços ofertados pelo grupo está em processo de expansão em virtude do aquecimento do setor da construção civil, da consciência ambiental cada vez maior por parte das organizações e a projetos de lei que obrigarão estabelecimentos como condomínios a terem sua própria estação de tratamento de esgoto, o que compensará a perda de 20% no faturamento no próximo ano com a venda da Construcenter, já que o retorno em termos de lucro será ampliado.
Para garantir a eficiência dos seus serviços, a empresa atua com a participação de geólogos e engenheiros, que trabalham fazendo a avaliação do local e um estudo completo sobre o solo antes de perfurar e construir um poço.
Atualmente, os principais clientes da companhia são as empresas do PIM (Pólo Industrial de Manaus), grandes construtoras e Águas do Amazonas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email