Sistema inova na venda de passagens

Adaptar novas tecnologias à realidade local, tem sido sinal de inovação da área de TI no Amazonas há algum tempo. Um exemplo é o Netbarco, sistema que permitirá a compra de passagens fluviais pela internet, proporcionando a mesma facilidade em serviços que têm as vendas de passagens aéreas. Recebendo do governo do Estado via Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas), por meio do Tecnova (Programa de Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica em Micros e Pequenas Empresas no Estado do Amazonas), o Netbarco espera suprir a demanda de procura de passagens pela internet.
O sistema permitirá a compra de passagens fluviais com lugares marcados, a possibilidade de compra com até seis meses de antecedência, além de informações detalhadas da embarcação. O software garantirá a segurança de proprietários de barcos e consumidores, pontuam os empreendedores.

Pesquisa
O aplicativo Netbarco surgiu de uma ideia do empresário Alexandre Almeida, que por trabalhar com publicidade estava sempre em viagens ao interior do Estado. As necessidades do empresário foram o ponto para que o agora sócio na empresa, Rayfran Rocha, passasse a desenvolver o projeto. “Trabalho com soluções e consultoria em TI e a partir desta demanda, passamos a desenvolver o produto. Alexandre veio com a ideia e nós com o desenvolvimento efetivo”, conta Rayfran.
Como base para pesquisa, além das necessidades pessoais, a dupla usou dados divulgados pela Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) no relatório ‘Caracterização da oferta e da demanda do transporte fluvial de passageiros na região Amazônia’, apontando que em média 13,6 milhões de pessoas utilizam, anualmente, o transporte fluvial na Amazônia. A Antaq informou que 70% desta demanda é referente aos passageiros do Amazonas.

Regionalizando
Segundo eles, o sistema pioneiro na região Amazônica permitirá ainda o mapeamento da malha fluvial do Estado, a disponibilização de dados estatísticos referentes às passagens comercializadas para subsidiar os donos das embarcações e órgãos de controle e venda de passagens fluviais por agências de turismo. “Iremos além da venda de passagens. Estas serão a ponta do iceberg. Em nossos planos estão as parcerias com as agências para informações sobre festividades no interior e curiosidades para o turista, possibilitando a venda de pacotes. Ainda podemos entrar em acordo com órgãos fiscalizadores municipais, estaduais e federais, como a Marinha, por meio do controle de passagens vendidas, capacidade de lotação dos barcos e lista de passageiros,” conta.
Para o empreendedor, o sistema é mais que um simples site, será um sistema online dinâmico que se moldará ao tipo de usuário que acessá-lo. Similar ao utilizado por grandes empresas que vendem passagens aéreas, ingressos para shows ou pacotes turísticos. “Nosso foco são os turistas e as agências de turismo na Amazônia, uma vez que o passageiro contínuo, às vezes, já conhece o dono da embarcação e está habituado a comprar a passagem direto no barco”, esclareceu.

Recursos
O projeto de pesquisa intitulado ‘Netbarco – Sistema de Comercialização de Passagens Fluviais Online’, que subsidiará o desenvolvimento do sistema, recebeu aporte financeiro do governo do Estado via Fapeam no valor de R$ 359 mil, por meio do Tecnova, o que possibilitou aos empreendedores dedicação ao projeto. “Quando surgiu a ideia, trabalhávamos no Netbarco apenas em nossos intervalos, por não termos o que investir e nem saber se daria certo. Após a subvenção, houve maior dedicação e pensamos em contratar uma equipe para o desenvolvimento”, fecha.

Projeto-piloto
Segundo Alexandre Almeida, em até seis meses um projeto-piloto do sistema estará disponível em alguns barcos da região. “Conversei com alguns proprietários de embarcações e eles enxergaram o sistema como algo que melhorará o modelo de negócios deles. O Netbarco trará mais segurança, mais economia, além de conforto e comodidade aos passageiros”, disse. Rayfran Rocha informou que com o projeto-piloto serão disponibilizadas, inicialmente, reservas e compras de camarotes. Segundo ele, a principal inovação no sistema será a informatização no processo de vendas das passagens que atualmente é informal e manual. “O projeto-piloto alcançará até cinco barcos e dando certo para esses, dará certo com os demais, já que é algo escalável e o modelo será o mesmo. Em até dois anos abrangeremos todas as embarcações do Amazonas”, afirmou.

Aplicativo parecido
Também pensando em vendas de passagens, a Naveggar criou aplicativo parecido com a Netbarco. A Naveggar, startup recém criada em Manaus saiu vencedora da inovadora Corrida de Startups que aconteceu no último mês de abril, durante a Feira do Emprendedor do Sebare-Am. Ciente das complexidades do mercado de viagens fluviais, a equipe do Naveggar, ainda realiza estudos para poder lançar o produto no mercado. Para isso estão sendo feitos estudos de logística e desenvolvimento, além de driblar a resistência dos mais tradicionalistas. “Não iremos acabar com o modelo tradicional de vendas de passagens. É algo impossível, pois em cidades o barco só passa, os passageiros têm que embarcar durante a passagem. Provavelmente teremos que enviar equipes de estudo, mapeando essas localidades”, disse o CEO e desenvolvedor da Naveggar, Marcelino Macedo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email