Sinal verde para novos investimentos no Polo Industrial de Manaus

O CAS (Conselho de Administração da Zona Franca de Manaus) deu sinal verde, nesta quinta (7), para a concessão de incentivos federais a 28 projetos industriais no PIM – dez de implantação e 18 de atualização, diversificação e ampliação. As propostas totalizam US$ 138 milhões em aportes produtivos, com estimativa de gerar 1.119 empregos e US$ 1 bilhão em faturamento na ZFM, nos três anos iniciais de operação das novas linhas de produção.

A aprovação ocorreu durante a 291ª Reunião Ordinária do CAS, realizada pela primeira vez por meio de videoconferência, em razão da emergência de saúde pública criada pela pandemia do Covid-19. Fontes ouvidas pelo Jornal do Commercio destacam que o gesto simbólico de dar aval a iniciativas industrias, em um momento em que parte significativa do setor está parada, sinaliza projeções positivas para a ZFM e reforço no modelo, no período pós-pandemia.

“Ninguém esperava o que está acontecendo. Numa pesquisa que fizemos com empresários no início da pandemia, apenas 2% disseram que esperavam algum impacto. E é talvez a maior crise da história, certamente a mais abrupta, e extremamente dolorosa pelo seu impacto em vidas e sobre a nossa economia”, frisou o titular da Sepec (Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade) do Ministério da Economia, Carlos da Costa, que presidiu o evento.

Segundo Costa, o senso de urgência gerou união no setor produtivo e a convicção de que é necessário diversificar as matrizes regionais de produção. “Temos uma taxa de câmbio favorável às exportações e a Selic está em 3%. Esse é o caminho para ganharmos ritmo e seguirmos na direção para construir melhores condições de vida em nosso território, e em particular na Amazônia Ocidental”, afirmou.

O titular da Sepec apontou ainda que, dentro desse contexto, o CBA (Centro de Biotecnologia da Amazônia) desponta como “centro de destravamento” para construir bases como local de desenvolvimento de negócios na Amazônia Ocidental, além de mencionar que a Suframa “talvez seja a grande protagonista”, sendo “direcionada aos eixos de desenvolvimento estratégico”.

Destaques da pauta

Entre os destaques da pauta aprovada estavam os projetos para produção de condicionadores de ar do tipo janela das empresas Gree Electric e Semp TCL, que preveem, respectivamente, investimentos de US$ 10.1 milhões e de US$ 13.9 milhões, além da geração de 128 e 40 empregos. Em sintonia com a visão da Sepec, a Gree Electric espera exportar 75% de sua produção.

Projetos de diversificação também estavam em evidência. A Magnum Indústria da Amazônia, está injetando US$ 12.8 milhões para fabricar smartwatches (relógios inteligentes), gerando 30 empregos. A Unicoba Energia, por sua vez, está aportando US$ 3.6 milhões para produzir luminárias LEDs, esforço que demandará criação de 31 postos de trabalho, na inauguração de um novo PPB.

Esforço estratégico

O vice-presidente da Fieam, Nelson Azevedo, salientou que o fato da reunião do CAS ocorrer justamente em um momento de baixa para a indústria é estratégico para o setor e para o modelo ZFM, dado que a antecipação das etapas burocráticas permitirá maior agilidade às empresas para a retomada aguardada para o período pós-pandemia. O dirigente avalia também que os dez projetos de implantação e o volume de investimentos e empregos contidos na pauta são bons indícios para o PIM. 

“É de grande importância, dada a conjuntura atual e tudo indica que vamos sair na frente, quando a crise passar. Também a oportunidade de criarmos as bases para fortalecer não apenas a Zona Franca, como toda a indústria nacional. Hoje, dependemos muito da Ásia. Está na hora de fortalecemos o polo de componentes e garantir o suprimento das linhas de montagem com fornecimento just in time”, asseverou.

Empregos e pós-pandemia

No entendimento do presidente do Cieam, Wilson Périco, manter o cronograma de reuniões, mesmo com a pandemia, foi e é “extremamente importante” para a economia do Estado e do País, por meio do fortalecimento da Zona França de Manaus. O dirigente reforça ainda que ter projetos apresentados, avaliados e aprovados é de ‘suma importância” para que o PIM consiga continuar gerando empregos.

“Apesar das incertezas, pelo momento que estamos passando, uma certeza nos temos: a crise do coronavírus vai passar. Não sabemos qual será o tamanho do mercado pós-pandemia. Mas, precisamos estar preparados para encontrar as soluções para os problemas que ela já causou e que vai causar, tanto para a sociedade, quanto para o mercado de emprego”, ressaltou.

Novos segmentos

Para o titular da Suframa, Alfredo Menezes, a iniciativa da videoconferência demonstra que, mesmo diante das adversidades, o trabalho continua. Ele destacou também as ações da Suframa para enfrentamento da crise do Covid-19 no âmbito das indústrias, como a priorização do internamento de produtos de primeira necessidade e a portaria nº 320/2020, que possibilita o aporte de recursos de PD&I em projetos que gerem soluções de saúde pública contra o coronavírus, entre outras medidas. 

“Temos construído parcerias com empresas do PIM para a doar equipamentos e produtos às unidades de saúde do Estado. Caminhamos agora para a retomada da economia, com o retorno das atividades de algumas indústrias, além da reabertura do setor comercial, que acreditamos ocorrer até final de maio, início de junho. Acima de tudo, estamos trabalhando para agregar novos segmentos ao Polo, voltados para saúde, segurança e bionegócios”, declarou, em texto divulgado pela assessoria de comunicação da Suframa.

Ad referendum

Responsável pela aprovação dos incentivos de ICMS para as indústrias incentivadas de Manaus, e tradicionalmente marcada para datas próximas do CAS, a reunião do Codam (Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas), estava prevista inicialmente para 30 de abril, mas foi adiada indefinidamente, em virtude da pandemia.

Os projetos encaminhados serão remetidos à aprovação ad referendum do governador Wilson Lima, após análise técnica da Sedecti (Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação) e da Sefaz (Secretaria de Estado da Fazenda). A assessoria de imprensa da Sedecti informou ao Jornal do Commercio que a lista dos aprovados deve ser divulgada na próxima semana e que a homologação será feita na próxima reunião do Codam. 

Segundo o titular da Sedecti, Jório Veiga, a aprovação ad referendum dos projetos é parte do esforço do governo estadual para minimizar prejuízos do setor privado com a queda da atividade econômica, a partir da crise do Covid-19. “Estamos buscando soluções que possam diminuir o impacto dessa crise sobre as empresas, visando a manutenção dos empregos e de receitas”, concluiu.

Fonte: Marco Dassori

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email