Sinaees denuncia encalhe de set-top boxes

Passado o furor inicial nas vendas de conversores de TV digital (set-top box) na região metropolitana de São Paulo, mais de 85% de toda a produção do PIM (Pólo Industrial de Manaus) encalhou. Embora a reportagem do JC não tenha tido acesso às linhas de produção, estima-se que pelo menos 70 mil unidades do aparelho não tiveram saída, representando até o momento prejuízos na ordem de R$ 12 milhões para as indústrias locais.
O presidente do Sinaees (Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares de Manaus), Wilson Périco, afirmou que as indústrias do setor investiram pesadamente para atender uma suposta demanda que não se concretizou. Segundo o executivo, o volume produzido com base na média do público consumidor paulista superou a demanda, o que levou à paralisação das linhas de produção de empresas como a Positivo Informática no PIM (Pólo Industrial de Manaus).
“O consumidor não se sentiu atraído para a compra, o que acarretou um alto estoque de produto acabado e, consequentemente, a paralisação da produção. A Positivo, por exemplo, revelou que tem uma quantidade suficiente para três a quatro meses de produto acabado no estoque”, disse Périco.
O dirigente lembrou que o governo federal planejava a fabricação de dois aparelhos, um apenas para a conversão do sistema, e o segundo, com mais recursos tecnológicos, trazia possibilidades de ampliação da interatividade com a programação das emissoras. O executivo contou que, desde o ano passado, quando o governo escolheu o padrão japonês para a TV digital brasileira, o valor do conversor mais simples era cotado em até R$ 200.
“Isso é parte das inverdades ditas pelo ministro das comunicações, Hélio Costa, de que o conversor iria produzir a interatividade. Acontece que essa é uma tecnologia suscetível às barreiras geográficas. Qualquer elevação de terreno mais contundente implica na baixa qualidade do sinal digital e mal-funcionamento do aparelho”, explicou Périco.
Sobre a questão do encalhe de set-top-box no mercado nacional, a Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos) afirmou em nota divulgada na última sexta-feira que os produtos lançados pelos fabricantes por ela representados tiveram boa aceitação no mercado interno e que “as vendas estão dentro do ritmo previsto, considerando-se que esta é uma tecnologia nova e cuja introdução no mercado brasileiro vai acontecer gradualmente”. Entretanto, a Eletros parece considerar que a inovação ainda não caiu de fato no gosto do consumidor final.
“O volume de produção, diante disso, ainda é reduzido. As vendas irão aumentar gradativamente, seguindo a curva normal de migração para a nova tecnologia. A disponibilidade de sinais para outras cidades além de São Paulo, como Belo Horizonte e Rio de Janeiro (esta iniciando agora), é extremamente importante para acelerar o plano de implementação, mas isso não depende da Indústria”, divulgou em nota a Eletros.

Consultor diz que consumidor final precisa ser informado

O consultor em engenharia de produção Carlos Hideo Yamagishi explicou que nos atuais modelos fabris do PIM é possível identificar sete tipos de prejuízos, dentre os quais a superprodução, transporte e estoques estão entre os mais relevantes. Segundo o especialista, o atual sistema just-in-time (onde a empresa produz somente o necessário para um momento e quantidade preestabelecidos), impede que ocorram perdas por estoque, mas, se acontecem, geralmente são ocasionadas pela manutenção de matérias-primas, material em processamento e produtos acabados, se constituindo em desperdício.
“No caso do set-top box para TV digital, provavelmente não houve campanha esclarecedora junto à grande massa da população, nem mesmo uma estratégia de marketing suficiente para estabelecer nesse consumidor final a necessidade da compra”, explicou Yamagishi.
O diretor de conectividade da Positivo Informática, Erlei Guimarães, admitiu o encalhe na produção da empresa, afirmando que o volum

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email