17 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Setor deve ‘esfriar’ após a Copa

https://www.jcam.com.br/FOTO_11062014 A6.jpg
Indústria de embalagens de papel e papelão cresceu 13,8% no primeiro trimestre

O impressionante crescimento de 13,8% no faturamento do setor de papel, papelão e embalagens no primeiro trimestre, em relação aos três primeiros meses de 2013, não deverá se sustentar nos próximos meses. É o que acredita o vice-presidente da Fieam (Federação da Indústria do Estado do Amazonas), Athaydes Mariano Félix. De acordo com Athaydes, o incremento aconteceu devido principalmente ao aumento na produção de televisores visando a Copa do Mundo. Seguindo esta tendência, é natural que a produção e venda de papelão para embalagens também apresentasse alta. Mas, apesar de classificar as vendas de televisores como boas, na opinião do vice-presidente da Fieam, houve um otimismo exagerado em relação às expectativas de vendas de televisores.
“O fato é que houve uma euforia com os televisores, se produziu bastante e isso ficou estocado lá na ponta. Os revendedores estão reclamando que há muito estoque. O consumo foi até bom, mas as expectativas extrapolaram um pouco. Então (esta alta) foi muito em função da produção exagerada de televisores”, explicou.

Números
De acordo com dados dos Indicadores da Suframa divulgados no último mês de maio, no acumulado do primeiro trimestre deste ano o faturamento do setor de papel, papelão e embalagens foi de R$ 100,89 mi, que representou uma alta de 13,80% em relação ao mesmo período de 2013 (R$ 88,6 mi). O resultado recuperou as perdas registradas entre janeiro e março do ano passado, quando o faturamento ficou 13,78% abaixo dos valores anotados em igual período do ano anterior.
Já na comparação mensal a alta não foi tão expressiva: R$ 34,4 mi em março de 2014 contra R$32,3 mi em março de 2013.
Passado o momento de maior entusiasmo para o consumo, Athaydes Félix afirma que a tendência do setor é se estabilizar.
“A tendência agora é de queda, a menos que haja um forte incentivo do governo federal para estimular o consumo. A tendência é que o mercado caia na realidade”, finalizou.

Contraponto
Por outro lado, o presidente do Corecon-AM (Conselho Regional de Economia do Amazonas), Marcus Evangelista, não concorda com esta visão. Na opinião dele, o mercado eletroeletrônico – e, consequentemente, o setor de embalagens – deverão continuar aquecidos até o fim do ano, período quando tradicionalmente as vendas destes artigos têm um acréscimo.
“O setor eletrônico, ao contrário do setor de duas rodas, está vivenciando um bom momento e eu acredito que esse momento continua até o fim do ano. As grandes lojas, a partir do meio do ano, já começam a se programar para as vendas de fim de ano. Por isso as fábricas já começam a receber os pedidos e suas linhas de produção vão se manter ativas”, acredita Evangelista.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email