Serviços ‘puxam’ PIB do AM

Serviços foi o setor que mais contribuiu para o PIB (Produto Interno Bruto) do Amazonas no primeiro trimestre de 2013, de acordo com estudo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e da Seplan (Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas). Nos três primeiros meses deste ano, o PIB somou R$ 17,4 bilhões, dos quais R$ 7,4 bilhões foram provenientes do setor de Serviços. A Indústria ocupou a segunda posição com R$ 6,3 bilhões, e o setor Agropecuário contribuiu com R$ 730 milhões. Nos acumulado de 12 meses, o PIB totalizou R$ 70 bilhões.
Os resultados do primeiro trimestre do ano apontam para uma evolução do PIB em relação ao mesmo período de 2012, conforme análise do Depi (Departamento de Estudo, Pesquisa e Informações) da Seplan. Nominalmente, o PIB cresceu 7,46%, registrando um crescimento real (descontada a inflação) de 0,41%.
O Índice de Atividade Econômica Regional, que mede o comportamento do crescimento econômico do Estado, registrou no primeiro trimestre de 2013 uma leve alta de 6,06% e com o ajuste sazonal apresentou alta de 0,37%.
A análise do desempenho da produção industrial do Amazonas no período, registrou recuo de 1,1%, com quatro dos onze ramos investigados apontando queda da atividade. As indústrias de outros equipamentos de transportes (-24) e de material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicação (-15), foram as que mais influenciaram negativamente o resultados global.
Chamou a atenção o recuo na produção de telefone celular e de motocicleta. Entre os setores que registraram crescimento na produção estão alimentos e bebidas (17,7%), máquinas e equipamentos (17,2%) e refino de petróleo e produção de álcool (-5,4%)), foram os que responderam pelo bom resultado no período.

Empresas

No primeiro trimestre de 2013, o número de empresas cresceu 5% em relação ao mesmo período do ano passado. A Junta Comercial do Amazonas registrou um total de 1.775 novas empresas nos três primeiros meses de 2013. Em sentido contrário, o número de empresas constituídas diminuiu -no percentual de 35% comparado ao trimestre do ano anterior. Foram 375 empresas constituídas contra 242 extintas.
O nível de emprego do Estado caiu 0,30%, e a taxa de desemprego está entre 8% e 10%.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email