Senadores da oposição elogiam decisão do STF

Um dia depois de o STF (Supremo Tribunal Federal) concluir o julgamento sobre as denúncias do mensalão, oposicionistas e governistas retomaram o assunto no Senado. Na sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a oposição elogiou a decisão dos ministros da Corte, enquanto os governistas lembraram que as investigações continuam.
“O Supremo passou a perspectiva de que não há mais impunidade no país”, reagiu o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN). “O julgamento mostrou que a lei está acima do poder, da arrogância e da prepotência”, disse o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Heráclito Fortes (PI), também presente na reunião da CCJ.
Os comentários ocorreram no dia seguinte em que a Suprema Corte concluiu o julgamento que acolheu as denúncias contra os 40 acusados de envolvimento com o mensalão. Após cinco dias de sessão, os ministros decidiram transformar todos os denunciados em réus, inclusive os ex-ministros José Dirceu (Casa Civil), Luiz Gushiken (Comunicação) e Anderson Adauto (Transportes), além dos deputados João Paulo Cunha e José Genoino, ambos do PT de São Paulo, além do empresário Marcos Valério.

Mas os governistas reagiram aos comentários da oposição. “Foi o acatamento de uma denúncia, e não me parece que isso seja uma condenação”, afirmou o senador Aloízio Mercadante (PT-SP), informando que o Ministério Público dará continuidade às investigações. O senador Valter Pereira (PMDB-MS) opinou por uma defesa mais técnica. “Foi uma decisão acertada. O STF agiu com base nos indícios que havia nas denúncias”, afirmou o peemedebista.
Um dos críticos mais ferozes do governo, o senador Jefferson Peres (PDT-AM), elogiou a decisão do STF. “Aquele Supremo Tribunal Federal lavou a alma de todos”, disse ele, durante a sessão na CCJ. Para o senador Pedro Simon (PMDB-RS), os ministros agiram com independência e demonstraram que o julgamento era técnico quando não se deixaram influenciar por supostas pressões.
A discussão sobre o mensalão ocorreu durante a sessão da CCJ que votou -e aprovou– a indicação de Carlos Alberto Menezes Direito para uma vaga no STF. Segundo Agripino Maia, Direito estava sendo indicado em um “momento felicíssimo” da Corte.
O operador de mercado financeiro Lúcio Bolonha Funaro fez, em depoimento sob o acordo de delação premiada, uma série de denúncias contra a cúpula do PT e PR no caso do mensalão.
Segundo documentos obtidos pela Folha de S.Paulo, que compõem a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República ao STF (Supremo Tribunal Federal), Funaro disse que ele e dois doleiros emprestaram R$ 3 milhões ao então presidente do PL (hoje PR) Valdemar Costa Neto para cobrir despesas da campanha do partido.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email