Saúde das micro pequenas é a melhor desde 2006

Pontualialidade no pagamento de dívidas atingiu 94,7% em abril, aponta Serasa Experian

A Serasa Experian lançou ontem o Indicador Serasa Experian da Pontualidade de Pagamentos das Micro e Pequenas Empresas, que acompanha pagamentos efetuados mensalmente por amostra de cerca de 600 mil micros e pequenas empresas aos seus fornecedores, registrados nas bases de informações da empresa. O indicador, conforme divulgado pela companhia, revelará mensalmente com que pontualidade essas empresas realizam seus pagamentos, sinalizando a saúde financeira das micro e pequenas empresas brasileiras.
“O indicador permitirá que o mercado possa acompanhar pela primeira vez este importante segmento, que representa 99% das empresas brasileiras, gera 60% dos empregos e presta serviço para as grandes empresas, e possibilitará ainda que as empresas de pequeno porte possam acompanhar e comparar sua saúde financeira com outras. O novo indicador e o portal para PME, com informações, soluções e serviços gratuitos, reafirmam a Serasa Experian como empresa que transforma dados em informação segura e em compreensão do cenário econômico nacional para ajudar as empresas a crescer e o Brasil a se desenvolver”, afirmou o presidente da Serasa Experian, Ricardo Loureiro.
O novo indicador revela que a saúde financeira das micro e pequenas empresas no Brasil atingiu o melhor nível desde 2006, quando se inicia a série do índice. A pontualidade de pagamentos atingiu 94,7% em abril de 2010. Isto significa que de cada 1000 compromissos financeiros que foram saldados em abril, 947 deles foram quitados à vista ou com no máximo 7 dias de atraso pelas micro e pequenas empresas, em todo o território nacional.

Setor industrial

Efetuando-se o corte por setor econômico, nota-se que a pontualidade de pagamento das micro e pequenas empresas é mais elevada no setor industrial em relação aos demais setores. Isto é algo que não ocorreu apenas em abril de 2010, mas, no mês a mês, em quase 70% dos resultados, refletindo, muito provavelmente, melhores práticas de gestão das micro e pequenas empresas que atuam no setor industrial.
“Numa perspectiva histórica, isto é desde 2006, é importante destacar que a pontualidade de pagamento das micro e pequenas empresas tem evoluído numa trajetória favorável superando o período adverso dos impactos da crise financeira internacional sobre a economia brasileira. Tal evolução favorável é reflexo não apenas do cenário econômico quase sempre positivo que vigorou neste período, mas também de alguns fatores estruturais como a maior profissionalização das micros e pequenas empresas, a maior formalização das relações de trabalho, a criação da personalidade jurídica do Micro Empreendedor Individual, dentre outros”, assinalou a Serasa Experian, por meio de nota à imprensa.

Pagamento das dívidas menores é priorizado

O indicador revela que existe um comportamento sazonal da pontualidade de pagamento, concentrando-se os maiores índices ao longo do período compreendido entre junho a dezembro, posto que a atividade econômica tende a ser mais aquecida no segundo semestre.
No acumulado do primeiro quadrimestre de 2010, a pontualidade de pagamento das micro e pequenas empresas atingiu 94,4%, o maior valor da série histórica, iniciada em 2006, para um primeiro quadrimestre do ano.
Por setor, as micro e pequenas empresas industriais foram as que exibiram a mais elevada pontualidade de pagamento ao longo dos quatro primeiros meses de 2010: 94,7% contra 94,5% do setor de serviços, e 94,4% das micro e pequenas empresas comerciais.
A melhora da pontualidade de pagamentos ocorre ao mesmo tempo em que a qualidade de crédito também se recupera após sofrer os impactos da crise, sobretudo durante o primeiro semestre de 2009. O indicador, que exibe numa escala de 0 a 100 a probabilidade de não entrar em inadimplência caso a empresa venha requerer crédito, parou de cair ao final de 2009 e, no primeiro trimestre de 2010, atingiu o patamar de 95,18.
“O aumento da pontualidade de pagamentos e recuperação da qualidade de crédito tem contribuído para a redução dos níveis de inadimplência”, frisou a nota. Durante o primeiro trimestre de 2010, o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas registrou queda de 8,2% da inadimplência das micro e pequenas empresas comparativamente ao primeiro trimestre de 2009.

Impacto da crise

O valor médio dos pagamentos efetuados pontualmente atingiu R$ 1.496,98 em abril de 2010, valor 9,8% inferior ao registrado em abril do ano passado. Em função dos impactos da crise, destaca a Serasa, o valor médio dos pagamentos em dia reduziu-se no âmbito das micro e pequenas empresas, as quais priorizaram valores menores. Para a empresa, as maiores dificuldades de acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas foi crucial para a redução observada nos valores médios dos pagamentos pontuais. Entretanto, acrescenta a Serasa, já há alguns meses observa-se uma trajetória de ascensão de tais valores médios na medida em que o crédito às micro e pequenas empresas vai sendo gradualmente normalizado.
“Para a empresa, há uma correlação direta entre valores médios e atrasos nos pagamentos, sinalizando um comportamento típico das micro e pequenas empresas (e talvez das demais empresas brasileiras) em priorizar pagamentos de menores valores em detrimento dos pagamentos de maior vulto”, concluiu.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email