Saiba como evitar dívidas, multas e ponto da carteira por venda de usado

Vender o carro antigo pode ser uma excelente opção para facilitar a compra de um carro zero ou para fazer frente a despesas inesperadas. Mas também pode ser um pesadelo, advertem os especialistas do site fiquetranquilo.com -do Grupo Nordeste, líder em segurança privada no Brasil. Para evitar que um ex-proprietário tenha que arcar com multas, com pontos na carteira de habilitação e com dívidas, os especialistas elaboraram 15 dicas.

Antes de vender

Solicite do comprador certidões negativas de ônus e verifique se não tem o nome sujo na praça, por ser mau pagador.
aSolicite informações bancárias e de crédito no comércio em geral.
aEvite negociar o carro com motoristas reconhecidos pela imperícia ou desrespeito às regras de trânsito. Caso haja algum problema na transferência do veículo, as multas, os pontos na habilitação e os eventuais processos criminais serão de responsabilidade do vendedor do carro.

Antes de concluir a venda

A transferência do nome do antigo para o novo proprietário do veículo deve ocorrer no momento em que a venda estiver fechada. Não acredite em promessas de resolver o assunto na próxima semana.
aUma das garantias de que o vendedor não arcará com as infrações do comprador é o preenchimento do CRV (Certificado de Registro do Veículo), com a data da venda e firma reconhecida.
aApesar disso, no caso de veículos financiados, atenção: o carro só ficará legalmente no nome do novo comprador se sua documentação e suas garantias forem aceitas pela financeira à qual o veículo estiver alienado.
aPortanto, se estiver negociando um carro financiado, acompanhe todo o processo de avaliação do futuro comprador pela financeira. Somente se a financeira o aprovar é que o contrato deverá ser assinado.
aSe o carro for entregue em uma concessionária, como entrada ou parte do pagamento de um veículo mais novo ou zero, não deixe o documento de transferência para depois.
aAinda que o comprador do carro usado seja um familiar, amigo ou colega, as precauções acima são fundamentais.
aNão aceite cheques ou promessas de pagamento futuro. Tudo deve ser documentado: em lugar de promessas, emita notas promissórias, se for o caso.
aCheque administrativo ou depósito em conta confirmado pelo banco são duas das melhores formas de garantir que o pagamento foi realmente efetuado.

Após a venda

Conforme o Código de Trânsito, artigo 134, o ex-proprietário também deve encaminhar ao Detran (Departamento Estadual de Trânsito) ou na Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) cópia autenticada de transferência de propriedade.
aConfira seus dados no site do Detran de seu Estado, para verificar se o número do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotivos) ainda está vinculado ao veículo vendido. Caso este serviço não seja oferecido on-line, no site deste órgão, consulte-o por telefone, pessoalmente ou por intermédio de despachante.
aDesconfie de multas ou pontuação em carteira por infrações de trânsito que você não se lembre de ter cometido. Veja se as informações sobre o veículo batem com as de seu automóvel atual, ou de outro já negociado há mais tempo.

Sempre

Confira, frequentemente, se há multas e pontos em sua habilitação, para verificar se você foi efetivamente responsável por isso. E, assim, evitar a clonagem de placa. Ou seja: que alguém utilize a placa do seu veículo em outro carro, transferindo a você as infrações cometidas por ele.

Desconfie

Solicite certidões negativa de ônus

Peça informações de crédito no comércio

Evite negociar com motoristas de má fama

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email