Reunião do Codam avalia pauta de R$ 1,8 bilhão para o PIM

O Codam avalia, nesta quinta (19), uma pauta de mais de R$ 1,8 bilhão, com um total de 32 projetos para o PIM, tanto de implantação (13), quanto de diversificação (13) e atualização (6). As propostas previstas na 291ª Reunião Ordinária do Conselho de Desenvolvimento do Amazonas preveem ainda a geração de 1.287 novos postos de trabalho, nos próximos três anos, no Polo Industrial do Amazonas, sendo 1.021 diretos e 266 indiretos. Outros 547 postos deve ser remanejados pelas próprias indústrias internamente.

Esta é a terceira reunião do Codam, neste ano. Caso a pauta passe pelo crivo dos conselheiros em sua integra, o órgão ligado à Sedecti (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação) terá dado sinal verde a R$ 18,3 bilhões em investimentos e 6.431 novos empregos neste ano, que foram alocados em 141 projetos. Para efeito de comparação, as três primeiras reuniões do Conselho ocorridas em 2020 haviam totalizado R$ 6,93 bilhões em aportes e 5.020 vagas em 126 iniciativas industriais. Vale notar que a base de comparação foi encorpada pela pauta recorde de exatamente um ano atrás (de R$ 4,57 bilhões).

A pauta de projetos de implantação submetida hoje ao crivo dos conselheiros é extensa e diversa, incluindo componentes eletrônicos e de informática, resinas termoplásticas, televisores, partes e peças para veículos de duas rodas, produtos alimentícios, papel higiênico, concentrados para bebidas não alcoólicas, artefatos de joalheria, leitores de códigos de barras e aparelhos de segurança, entre outros manufaturados. A despeito da significativa geração de postos de trabalho na pauta global do Codam, os projetos industriais de maior tecnologia seguem a tendência de indústria 4.0, com maior uso de automação em detrimento da mão de obra.

Pauta diversificada

Entre os projetos de implantação, o maior volume de investimentos vem da Cristalcopo da Amazônia, que pretende injetar quase R$ 6,52 milhões, em capital fixo, na fabricação de chapa, folha, tira, fita e película de plástico (“filme plástico) em rolo, com a previsão de gerar 14 empregos (12 diretos e 2 indiretos). A iniciativa com maior oferta de postos de trabalho vem da empresa Falcão Indústria de Alimentos, que prevê gerar 60 vagas ao longo de três anos, para beneficiar “partes e miudezas comestíveis e subprodutos bovinos oriundos da indústria frigorifica”, com aporte fixo superior a R$ 3,64 milhões.

Entre os projetos de diversificação, há destaques para a indústria eletroeletrônica. A Flextronics International Tecnologia Ltda projeta fabricar televisores em cores com tela de cristal líquido, mediante investimento fixo de R$ 6,35 milhões e a geração de 112 postos de trabalho. A Elgin, por outro lado, está aportando mais de R$ 4,66 milhões em capital fixo para fabricar leitores de códigos de barras, com a oferta de sete empregos. Já a Hikvision do Brasil Comércio de Equipamentos de Segurança Ltda está injetando R$ 4,80 milhões na manufatura de “aparelho controlador/liberador de acesso a ambientes”, iniciativa que deve gerar 39 vagas no PIM. 

A reunião oficializa também, em cumprimento do regimento interno do Codam (aprovado pelo Decreto n°. 14.181/1991) a homologação ad referendum da concessão de incentivos fiscais de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para a Foxconn Moebg Indústria de Eletrônicos Ltda (parecer de análise nº 126/2021) fabricar placas de circuito impresso montadas de uso em informática, sendo a produção enquadrada como bens intermediários. O mesmo se deu para a Fx Film Indústria e Comércio de Filmes de PVC e Polietileno da Amazônia Ltda (parecer de análise nº 172/2021) para a produção de “artigo de matéria plástica (exceto poliestireno expansível) para transporte ou embalagem”.

“Modelo de segurança”

Em texto divulgado pela assessoria da Sedecti, o titular da pasta, Jório Veiga, avaliou que os números do Codam continuam dentro dos “padrões das operações”, demonstrando a confiança dos investidores no Amazonas e em seu modelo de desenvolvimento industrial. “As condições são favoráveis e os investidores continuam acreditando em todo o trabalho que o governo do Estado está fazendo. Estamos otimistas com as previsões, tanto dos investimentos, quanto dos resultados ao longo do ano”, ponderou.

Na mesma linha, o presidente da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas) assinalou à reportagem do Jornal do Commercio que os números listados para esta nova reunião do Codam podem ser considerados “alentadores” para a indústria incentivada da capital amazonense, além de confirmarem a credibilidade do modelo de desenvolvimento do Estado, a despeito dos obstáculos que se multiplicaram na pandemia. No entendimento do dirigente, frente à “maior crise sanitária que a nossa geração já vivenciou”, o Polo Industrial de Manaus se manteve como um “modelo de segurança” para novos investimentos.

“São 32 projetos em pauta, destes, 13 de implantação, o que depreende que o modelo ainda é extremamente atrativo para novos negócios. Ainda, desses 32 projetos, 10 são de indústrias componentistas, ou seja, de bens intermediários que auxiliarão não consolidação da nossa cadeia produtiva. São, também, 1.287 novos postos de trabalho projetados para os próximos três anos e investimentos da ordem de 1,7 bilhão, números superiores aos da reunião anterior”, finalizou.

A 291ª Reunião Ordinária do Codam está marcada para as 10h desta quinta (19) e será realizada novamente em formato híbrido (presencial para os conselheiros e imprensa, e virtual para o público em geral), com transmissão pelo canal da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação no YouTube (Sedecti Amazonas).

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email