16 de abril de 2021

Região terá três programas de inovação para MPEs

Inovação foi uma das palavras mais citadas durante o 1º Encontro de Diretorias Técnicas e Programas Nacionais da Região Norte, na última sexta-feira, dia

Inovação foi uma das palavras mais citadas durante o 1º Encontro de Diretorias Técnicas e Programas Nacionais da Região Norte, na última sexta-feira, dia 22, onde reuniu diretores-técnicos e colaboradores do Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), no Centro de Convenções do Manaus Plaza Shopping, zona Centro-Sul da cidade. Para o diretor-técnico do Sebrae Nacional, Carlos Alberto dos Santos, hoje a inovação tem função estratégica e deve ser parte do plano de negócio das empresas. “Com o mercado cada vez mais competitivo é preciso se diferenciar, reduzir custos, otimizar recursos, aumentar a produtividade, a eficiência dos processos da empresa e oferecer produtos e serviços de qualidade aos clientes. E só vai sobreviver quem conseguir inovar nesse ambiente de competitividade global”, destaca.
Santos afirma que isso é um desafio colocado para as empresas, independente do porte. Envolve também os pequenos negócios, que são maioria e geram o maior contingente de empregos (52,2%) na nossa economia. “Inovar não é mais privilégio de grandes empresas, não custa caro nem está associado somente ao aspecto tecnológico desse tipo de processo. É fazer diferente para fazer melhor”, define.
O Sebrae vai investir até 2014 cerca de R$ 780 milhões para apoiar e promover a inovação nas empresas de pequeno porte em todo o país, devido à importância da diferenciação para se consolidar no mercado e conquistar novos clientes, gerando mais emprego e renda. Para a Região Norte, neste ano, estão previstos R$ 18,9 milhões em três programas nacionais voltados para inovação nos pequenos negócios. A meta do Sebrae é atender 6.274 empresas de pequeno porte com soluções de inovação. Aqui no Amazonas, esses programas contam com quase R$ 2 milhões do Sebrae Nacional para atender 862 empresas de pequeno porte. E de acordo com o diretor-técnico do Sebrae Amazonas, Maurício Seffair, a previsão é investir R$ 9 milhões até o final deste ano em todos os programas e projetos com viés de inovação, sendo que já foram aplicados R$ 3,2 milhões.
Seffair que esteve durante o Encontro, fez um balanço dos seis programas da instituição que visam promover à maior competitividade das micro e pequenas empresas, de modo inovador e sustentável. Entre eles, o ALI (Agentes Locais de Inovação), que atualmente beneficia 293 empresas. “O grande objetivo deste programa é levar inovação aos empresários, que não conhecem o Sebrae ou não tiveram ainda a oportunidade de vir até nós”, ressaltou o diretor-técnico do Sebrae-AM.
Ele conta que hoje o início do programa tem focado as regiões norte e leste da capital amazonense. “Estamos indo até o empresário, conversamos, falamos sobre o programa e como ele gostaria de ser atendido pelo Sebrae”, explica Seffair, que também conta que o programa será revisto durante 1º Encontro de Diretorias Técnicas e Programas Nacionais da Região Norte.
Outro produto do Sebrae debatido durante o evento é o Sebraetec. “Ele uma ferramenta que nós disponibilizamos ao micro e pequeno empresário de poder ter dentro da sua empresa a tecnologia necessária para que ele possa ser competitivo no mercado”, disse Seffair. Cerca de 1.520 empresas do Norte do país são participantes do programa. Destas, 153 são do Amazonas.
O diretor-técnico do Sebrae Amazonas ressalta também o programa Sebrae Mais, que nasceu devido à necessidade de atender as empresas de pequeno porte. “A pequena empresa que já tem mais de dois anos, praticamente já superou a sua crise quando nasceu e a metodologia que não tínhamos não atendia, por isso criamos o Sebrae Mais, focando em empresas consolidadas”, comenta. O programa tem previsão de atingir 1.192 empresas no Norte, 416 só no Amazonas.
Outro programa que Seffair explica é o Negócio a Negócio. “Este veio para fortalecer um pouco o ALI, só que o foco do ALI é levar ao empresário a palavra inovação para ser competitivo, enquanto o Negócio a Negócio leva até o empresário, em seu local de trabalho, orientação gratuita e personalizada através de um agente do Sebrae”, esclarece.
Há também o Sebrae 2014, que promete aos micro e pequenos empresários a possibilidade de melhor aproveitarem as oportunidades decorrentes da Copa do Mundo de Futebol. “A FGV (Fundação Getúlio Vargas) tem realizado um mapeamento que detectou que as maiores oportunidades estão na área de construção civil, em que as micros e pequenas empresas poderão se tornar subempreiteira da que ganhou a licitação, através do fornecimento de produtos e serviços”, enfatizou Maurício Seffair, que também destacou grandes oportunidades no segmento de turismo e alimentação.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email