Redução tímida de preços da gasolina, aponta pesquisa do Procom-AM

Os cortes de preços da gasolina nas refinarias da Petrobras só renderam um repasse de R$ 0,10 ao consumidor manauense. Dados da mais recente pesquisa do Procon-AM, divulgada nesta quinta (19), apontam que o preço médio em Manaus passou de R$ 4,69 para R$ 4,59, em uma semana. A redução do diesel rendeu menos ainda, conforme a sondagem. No mesmo período, os preços mais baixos do diesel comum e S10, passaram de R$ 3,44 para R$ 3,38, e de R$ 3,59 para R$ 3,57, respectivamente.

Na quinta (19), a Petrobras informou, por intermédio de nota à imprensa, que promoveu um novo reajuste de preços em suas refinarias do óleo diesel em -7,5% e da gasolina em -12%, desde quinta (19).  A companhia comunica que também reduziu o preço do GLP em 5%, a partir de hoje. Com isso, no acumulado do ano, a redução de preço de óleo diesel é de 29,1%, de gasolina é de 30,1% e de GLP é de 7,9%.

Na semana passada, a companhia brasileira já havia reduzido os valores da gasolina e do diesel em 9,5% e 6,5%, respectivamente. As medidas se devem ao tombo na cotação do petróleo, em decorrência da crise econômica mundial causada pela pandemia do novo coronavírus e da disputa entre Rússia e Arábia Saudita sobre o nível de produção e preço da commodity.

“Mercado livre”

O Sindicombustiveis-AM (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Alcoois, e Gás Natural do Estado do Amazonas) informou ao Jornal do Commercio que os dois cortes de preços dos combustíveis foram repassados de uma vez aos postos de combustíveis, nesta quinta (19) – mesmo dia do anúncio da segunda redução nas refinarias.

O vice-presidente do Sindicombustiveis-AM, Geraldo Dantas, lembra que os descontos praticados nas refinarias nunca são inteiramente repassados pelas cinco distribuidoras atuantes no Amazonas aos preços cobrados nos postos de combustíveis locais. De acordo com o dirigente, os valores já sofrem uma filtragem nessa etapa, graças aos custos adicionais de transporte, do álcool anidro acrescido à mistura dos derivados de petróleo, e dos tributos.

“Não sabemos precisar quanto foi repassado efetivamente pelas distribuidoras, já que esse percentual depende das negociações e as condições de cada empresa. O mesmo pode ser dito do repasse dos postos de combustíveis, até porque o mercado é livre. Mas, certamente posso dizer que uma redução de R$ 0,10 é um grande desconto”, ressaltou.

Comunicado da Petrobras, divulgado na semana anterior, informa que os preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras têm como base o valores de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais, mais os custos dos importadores em transporte e taxas portuárias, por exemplo. “A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. Além disso, o preço considera uma margem que cobre os riscos (como volatilidade do câmbio e dos preços)”, frisou o texto.

Demanda em queda

Indagado sobre o impacto do medo da pandemia do novo coronavírus e das medidas de restrição à disseminação do Covid 19 na capital e no interior, Geraldo Dantas não soube precisar números, mas garante que o movimento nas bombas recuou na semana passada e nesta, e estima que deve continuar caindo nas próximas.

“Vemos essa situação com muita preocupação. Estimo que a demanda deve ter caído uns 20% nestes dias, mas pode chegar a 50%, nos próximos. Os custos fixos das empresas continuam elevados, mesmo assim. E os governos têm dificuldade para encontrar soluções. Imagino que a procura de combustíveis para serviços de emergências e entregas deve seguir elevada, mas insuficiente para compensar o fato de que o país está parando. Não sabemos quanto cada um vai perder e quem vai conseguir sobreviver no mercado”, encerrou.

Pesquisa de preço

Realizada na quinta (19), a pesquisa do Procon-AM passou por 54 postos de Manaus concluiu que o menor preço da gasolina comum (R$ 4,57) foi verificado em cinco postos da capital, situados nos bairros Cachoeirinha, Japiim e Raiz (todos na zona Sul da capital). A gasolina aditivada também podia ser encontrada por esse preço, nos postos Santa Rosa (Cachoeirinha) e São Jorge (Raiz).

O valor mais em conta do diesel comum (R$ 3,38) foi verificado no Posto Mucuripe, situado na avenida Rodrigo Otávio, 5.074, Japiim, enquanto o do diesel S10 (R$ 3,57) foi registrado no Posto União I, localizado na avenida Silves, 1.783, Crespo.

O objetivo da sondagem do Procon-AM é dar ênfase na proteção dos interesses dos consumidores quanto ao preço e ofertas dos produtos e serviços, conforme dispõe a Lei nº 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor – CDC) em seus arts. 4º e 6º, incisos II e III. A iniciativa também visa incentivar a promoção da livre concorrência, e de coibir as práticas de infrações à ordem econômica praticados no mercado como, por exemplo, o cartel de preços.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email