Redes agem para ajudar franqueados

A crise do coronavírus atingiu em cheio o comércio, e em especial as micro e pequenas empresas. Com o movimento reduzido de consumidores e as medidas de restrição, que determinaram o fechamento de lojas e shoppings, 89% desses negócios já enfrentam os efeitos econômicos da pandemia, segundo o Sebrae. 

No franchising não foi diferente: com impactos variados em cada segmento (redes B2C e B2B, serviços e produtos diversos), segundo Sidney Amendoeira, diretor institucional da ABF, os reflexos começaram a ser sentidos no final da primeira quinzena de março, com impacto maior em São Paulo e no Rio de Janeiro. 

"Ainda estamos realizando uma sondagem para avaliar melhor, mas o impacto negativo é certo e já bastante severo, e tende a aumentar à medida que mais restrições de circulação sejam adotadas nas cidades", diz.

Para dar fôlego aos franqueados nesse momento, principalmente quanto ao capital de giro ou para criar novas formas de gerar receitas, diversas redes têm oferecido benefícios, como isenção de royalties, por exemplo, e criado comitês de crise para orientá-los sobre questões financeiras, trabalhistas ou tributárias. 

"Na ABF, também estamos nos articulando com associados e entidades correlatas para uma negociação com shopping centers, locadores de forma geral, bancos, emissores de cartão e o próprio governo com o objetivo de oferecer melhores condições para franqueados e franqueadores", destaca Amendoeira. 

Por ser um acontecimento sem precedentes, qualquer uma dessas inciativas tomadas pelas redes não precisa necessariamente, neste momento, constar do rol de informações da Circular de Oferta de Franquias (COF), conforme determina o novo marco regulatório do setor, que entrou em vigor no último dia 27 de março. 

"As negociações devem ocorrer em comum acordo, dentro das possibilidades e levando em conta a situação de cada rede em particular, sempre visando a continuidade dos negócios, tanto da franqueadora, como dos franqueados", explica o diretor da ABF. 

Mas há alguns pontos de atenção, conforme lembra Adriano Gomes, professor de administração da ESPM e consultor financeiro da Methode – como a suspensão de projetos ou pedidos de análise de novos franqueados.  

"Qualquer carta de intenção (de futuros franqueados) ou qualquer amarração contratual ligada às atividades de uma rede deve ser descartada por enquanto", afirma. "Afinal, não é isso que irá solucionar o problema do franqueado e nem do franqueador nesse momento."  

A seguir, veja o que algumas redes estão fazendo para ajudar franqueados a diminuírem os impactos da crise: 

BARBEARIA VIP

A rede congelou todas as cobranças junto aos franqueados, como taxa de marketing e royalties desde 15 de março. A franqueadora está estudando juridicamente como negociar aluguéis e demais custos fixos, dando suporte nas negociações de serviços que ficaram sem uso. 

BOM CUPOM

Microfranquia que conecta consumidores com estabelecimentos locais, e que possui 120 franqueados, lançou a campanha #ConsumaLocalmente nas redes sociais com o propósito de estimular o comércio regional.

Também isentou os royalties dos meses de abril e maio. 

CASA DO CONSTRUTOR

A rede especializada em locação de equipamentos para construção civil e soluções para o dia a dia formou um comitê de crise para auxiliar neste momento. Os franqueados terão royalties reduzidos e isenção da taxa de fundo de marketing. Para o varejo continuar em operação, a rede usará o delivery como opção de entrega.

DIVINO FOGÃO

Está isentando franqueados do pagamento de royalties e fundo de propaganda a partir de março. Além disso, a diretoria faz reuniões diárias de alinhamento com franqueados para auxiliá-los neste momento. 

EMPÓRIO DO AÇO

A rede de joalherias especializadas em aço hipoalergênico e fotogravação concedeu férias coletivas aos seus 1,2 mil funcionários, com exceção dos cargos de gerência que estão em home office até o início de abril.

Também está focada em ajudar os franqueados na renegociação de aluguéis das unidades situadas dentro dos shoppings. 

GRUPO KALAES 

Dona das redes Maislaser, Odonto Special e Instituto Ana Hickmann, a franqueadora postergará a arrecadação dos royalties dos meses de março e abril de 2020. Além disso, manterá um departamento jurídico para dúvidas trabalhistas e tributárias, e uma equipe financeira para questões orçamentárias, à disposição dos franqueados (ambos atendidos pelo sistema home-office).

I WANNA SLEEP

Retail tech focada em sono e relaxamento acaba de criar um novo conceito: a loja física on-line (LFO). A marca passa agora suas lojas para o ambiente digital, ou seja, cada loja ganhou um e-commerce dedicado a venda de colchões, travesseiros, chinelos massageadores, chás, borrifadores que induzem o sono, entre outros. 

MAPLE BEAR

Rede de ensino bilíngue vai isentar do pagamento de royalties e abater 50% do recolhimento de cada escola ao fundo de marketing por três meses. A medida é válida para todos os franqueados em abril, maio e junho

MERCADÃO DOS ÓCULOS 

Franquia ótica afirma que deve adotar, dia a dia, uma série de medidas para apoiar todas as lojas da rede – com nova prorrogação e o parcelamento em três vezes do pagamento dos royalties de março 

MUNDO VERDE

Especializada em produtos naturais e orgânicos, a rede está avaliando diariamente, em seu Comitê de Crise, formas de dar suporte aos franqueados da rede. Em um primeiro momento, as ações estão voltadas para a isenção de cobrança do fundo de marketing até abril, e para a extensão do prazo de pagamento dos royalties mediante sell-out nas lojas em operação.  

OAKBERRY AÇAÍ

Com 140 franqueados, a rede de alimentação saudável isentou 100% dos royalties de todas as unidades até março, podendo ser prorrogado se o isolamento social persistir. A cobrança do Fundo de Propaganda não foi feita no mês de março e está suspensa até que o mercado demonstre retomada.

SPLASH BEBIDAS URBANAS 

Além de elaborar uma série de orientações que visam os cuidados e higienização diante da epidemia, a rede de alimentos e bebidas portáteis passou a negociar com os fornecedores um prazo maior para pagamento de notas fiscais e giro de estoque das lojas de shopping para as lojas de rua. Também passou a isentar os franqueados de três meses de royalties.

STERNA CAFÉ

A rede vai isentar seus franqueados do pagamento de royalties pelas vendas realizadas por delivery. Com essa estratégia, a marca prevê um aumento de 30% nas vendas pelo segmento. A ação serve para estimular o serviço em todas as plataformas, criando oportunidade para a unidade que ainda não trabalha com a modalidade, aderir e não sofrer grande impacto durante a pandemia. Atualmente, a maioria das lojas não usa o sistema delivery. 

Fonte: Redação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email