Recuperação da BR-174 leva aporte de R$200 mi

A recuperação da BR 174, estrada que liga Boa Vista a Manaus, ao sul, e à Venezuela, ao norte, deve ter novo projeto até abril de 2008. De acordo com informações do Deit (Departamento de Infra-Estrutura de Transporte), unidade da Secretaria de Infra-Estrutura de Roraima, as operações na rodovia demandam recursos de aproximadamente R$ 200 milhões e devem estimular a economia local.

Segundo o chefe do Deit, José Eufrânio Alves, o projeto anterior, criado a partir do convênio entre o governo federal e o governo estadual, no primeiro semestre do ano passado, não apresentou resultados satisfatórios. “Alguns trechos recuperados da rodovia durante o segundo semestre de 2006 já apresentam falhas, em menos de um ano de obras”, argumentou Eufrânio.
O novo projeto, conforme o chefe do Deit, será mais rigoroso e deve contemplar todo o trecho da rodovia que passa pelo Estado, cerca de 720 quilômetros. O montante de recursos projetados representa o dobro do valor estimado no programa anterior.

“Para o futuro programa vamos precisar, pelo menos, de R$ 15 mil para os estudos em cada quilômetro, ou seja, um total de R$ 10,8 milhões e mais uns R$ 250 mil para a execução do mesmo a cada mil metros, isto é, perto de R$ 180 milhões”, explicou.
Conforme o chefe do Deit, a idéia é dar mais condições de tráfego na BR, por um período mínimo de dois anos e, com isso, estimular não somente a circulação de veículos no Estado, mas fomentar a economia de Roraima. “A rodovia é a espinha dorsal da comunicação entre a unidade federativa e os Estados e países vizinhos”, ressaltou Eufrânio.
O plano de recuperação da via deve fazer com que os produtores tenham mais facilidades para escoar a produção local para Manaus, principal importador do Estado. Da mesma forma, Eufrânio disse acreditar que o mercado interno pode ficar mais abastecido.

De acordo com as informações, as obras do atual projeto envolvem as etapas de limpeza, operação tapa-buracos, recuperação das áreas onde há maior incidência de imperfeições, além do recapeamento total da via. As fases estão acontecendo de forma simultânea.
“O projeto anterior foi feito baseado num procedimento chamado ‘Levantamento Visual Contínuo’, que consiste em anotar as imperfeições ao percorrer a estrada e, com base nos dados, apontar soluções. Agora pensamos num projeto mais completo, baseado inclusive em ensaios e que possam trazer mais resultados a longo prazo”, afirmou.

Área complicada

Segundo o representante do Deit, o trecho mais complicado é o da região sul do Estado, justamente o que liga a capital roraimense a Manaus, cidade que mais importa produtos de Boa Vista. “Infelizmente, esse projeto não funcionou bem na parte sul de Roraima. Mas, vamos trabalhar para que as condições nesse trecho melhorem”, garantiu.
Na opinião de Eufrânio, com melhores condições de tráfego, a rodovia significa barateamento no preço dos produtos que saem e chegam a capital. “O preço que as empresas pagam pelo frete está incluso no valor dos produtos. Com a estrada em perfeitas condições, o custo final dos itens deve baixar”, justificou.
Para o presidente da Facir (Federação das Associações Comerciais, Industriais e de Serviços de Roraima), Derval Furtado, se as empresas executarem os trabalhos no prazo previsto, os resultados ajudam no desenvolvimento econômico do Estado.
“A BR 174 preparada para uso é condição sine qua non para a economia local, que recebe itens de Manaus e também exportar. Além disso, é uma oportunidade para expansão do turismo na região”, disse Eufrânio.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email